quinta-feira, 29 de junho de 2017

Deficientes que usam transporte público em Campina Grande devem se cadastrar até sexta-feira

Gratuidade só é garantida depois que deficientes passam por exames na própria STTP.
Por G1 Paraíba
Pessoas com deficiência que usam transporte público precisam se recadastrar na capital
Pessoas com deficiência que são usuárias do transporte público coletivo de Campina Grande precisam se cadastrar até sexta-feira (30). O cadastramento é

para todos os deficientes que fazem uso do serviço e a gratuidade no acesso é garantida através dos exames que são feitos pela própria Superintendência

de Trânsito e Transporte Público (STTP).

O recadastramento é necessário para a troca das carteiras de gratuidade que estarão se vencendo. De acordo com o coordenador de transporte da STTP, Henrique

Castro, quem não passar pelo cadastramento vai perder o direito.

Para fazer o cadastro, é preciso comparecer no setor de gratuidade da STTP das 12h às 17h levando cópias do documento de identidade, CPF, comprovante de

residência no nome da pessoa, cartão do SUS, exame do tipo sanguíneo e laudo médico. Depois de apresentar os documentos, os deficientes passam por exame,

que é agendado.

Quem mora em casa alugada pode apresentar o contrato de locação. E quem tem surdez deve apresentar também o laudo da audiometria. “A gente solicita que

as pessoas venham o mais rápido possível”, pede Henrique Castro.

Cadastro em João Pessoa

Em João Pessoa, o deficiente precisa ir até o posto de atendimento na sede da Superintendência de Mobilidade Urbana (Semob), das 8h às 14h, ou nas Casas

da Cidadania, das 8h às 17h. É preciso apresentar o laudo médico assinado por um médico, documento de identidade, comprovante de residência recente e foto

3x4.
O modelo de formulário está disponível no site da Semob.

fonte g1

quarta-feira, 28 de junho de 2017

Banco é condenado por não abrir conta para deficiente visual em MT

A Segunda Câmara de Direito Privado do Tribunal de Justiça do Estado condenou o Banco do Brasil de Cuiabá ao pagamento de R$ 20 mil, por dano moral cometido

contra um deficiente visual que foi impedido de abrir conta poupança no banco. O montante foi minorado em 50%, já que a ação inicial requeria R$ 40 mil.


Conforme os autos, o apelado ao se dirigir até agência do Banco do Brasil, acompanhado de sua esposa e seu filho, para abrir uma conta poupança para seu

filho para o recebimento do auxilio pré-escola, teve sua solicitação negada pela instituição bancária pelo fato do autor ser deficiente visual, exigindo

que levasse procuração outorgada para pessoa "sem deficiência" e registrada em cartório.

De acordo com voto da relatora, desembargadora Maria Helena Gargaglione Póvoas, “com efeito, a restrição de abertura de conta demonstra descaso da Instituição

e ausência de cumprimento das legislações vigentes que prevê obrigação de assegurar o exercício pleno e equitativo de todos os direitos humanos e liberdades

fundamentais pelas pessoas portadoras de deficiência, conferindo-lhes tratamento materialmente igualitário (diferenciado na proporção de sua desigualdade)

e, portanto, não discriminatório, acessibilidade física e de comunicação e informação, inclusão social, autonomia e independência (na medida do possível,

naturalmente), e liberdade para fazer suas próprias escolhas, tudo a viabilizar a consecução do princípio maior da Dignidade da Pessoa Humana, caracteriza

o dano moral sofrido pela Requerente, sendo certo que o direito à honra, tem assento constitucional e a sua violação deve ser punida no âmbito civil”.


Também participaram do julgamento da Segunda Câmara de Direito Privado, os desembargadores João Ferreira Filho e Sebastião Barbosa Farias. A decisão unânime

Direção do CPB visita cidades do Japão visando aos Jogos de Tóquio 2020

Por CPB
Ter, 27 Jun 2017 14:30:00 -0300
Imagem

O presidente do Comitê Paralímpico Brasileiro, Mizael Conrado, está desde o início da semana em visita ao Japão - onde passará por cidades com interesse

de receber a aclimatação e o período final de treino da delegação que representará o Brasil nos Jogos Paralímpicos de Tóquio, em 2020.

Ao lado do diretor-técnico do CPB, Alberto Martins, e do diretor-técnico adjunto, Jonas Freire, o presidente do Comitê visitará Hamamatsu, que é uma das

principais colônias brasileiras no país asiático e que demonstrou interesse em receber a equipe nacional.

A delegação ainda passará pela província de Hyogo, que recentemente assinou termo de cooperação com o CPB para o desenvolvimento do vôlei sentado na região,

e que também demonstrou vontade de sediar a preparação do Brasil.

"Estaremos aqui durante essa semana para conhecer as estruturas de Hamamatsu e Hyogo, com a intenção de definir definir a cidade que receberá a delegação

brasileira, os atletas neste tão importante período final, a última fase de treinamento para os Jogos Paralímpicos de Tóquio 2020", disse Mizael Conrado.


Estão previstas também reuniões com o Japan Sports Council - que é o equivalente ao Ministério dos Esportes do Japão. Os brasileiros serão recebidos em

um centro de treinamento gerido pela organização em Tóquio.

Assessoria de Imprensa do Comitê Paralímpico Brasileiro (
imp@cpb.org.br)

Um bilhão de pessoas no mundo necessitam de ajudas técnicas e reabilitação. Em 2050, serão 2 bilhões.

Na segunda-feira, 26/6, o Salão Nobre da Câmara Municipal de São Paulo sediou o terceiro debate de um ciclo de audiências públicas que vem discutindo mecanismos

práticos da LBI, a Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência (Lei nº 13.146, de 6 de julho de 2015). O encontro organizado pela deputada federal,

Mara Gabrilli, e a vereadora Adriana Ramalho, debateu Saúde e Reabilitação.

Mesa de abertura na Câmara Muncipal de São Paulo, na segunda-feira, 26 de junho.

A LBI entrou em vigor em janeiro de 2016 e prevê uma série de ações e serviços de saúde pública destinados às pessoas com deficiência. As unidades básicas

de saúde, por exemplo, deverão contar agora com equipamentos acessíveis, como mamógrafos e macas para mulheres cadeirantes, além de intérpretes de Libras

para prestar atendimento ao público com deficiência auditiva.

Ainda de acordo com a LBI, operadoras de planos e seguros privados de saúde têm a obrigação de garantir à pessoa com deficiência, no mínimo, todos os serviços

e produtos ofertados aos demais clientes. Além disso, essas empresas ficam proibidas de recusar pacientes com deficiência ou cobrar a mais deste público.


Participaram do evento na Câmara de Vereadores, a Secretária de Estado dos Direitos da Pessoa com Deficiência de São Paulo, Dra. Linamara Rizzo Battistella;
a
deputada Mara Gabrilli; a vereadora Adriana Ramalho; o secretário municipal da Pessoa com Deficiência de São Paulo, Cid Torquato; o secretário municipal

da Saúde, Wilson Pollara; a técnica da saúde da Pessoa com Deficiência da Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo, Ligia Maria Carvalho Azevedo Soares,

representando o secretário de estado Davi Uip; e a coordenadora geral do Ministério da Saúde da Pessoa com Deficiência, Odília Brigido de Sousa; entre

outros.

Vereadora Adriana Ramalho ao microfone, ao lado da Dra. Linamara Battistella e a deputada Mara Gabrilli

A Secretária de Estado, Dra. Linamara, apresentou um panorama da saúde no Brasil e a importância do investimento na área. “É necessária mudança do paradigma,

das condições sanitárias, porque é evidente que crianças doentes não vão para escola, o jovem doente não vai trabalhar e as questões sanitárias são decorrentes

de mais doenças, de mais falta de educação sanitária”. Ela destacou a criação do SUS como importante avanço na área da Saúde. “A lei que cria o SUS foi

implantada em 92. Então a gente tem um SUS, que ainda é um pouco criança ainda, um pouco adolescente, mas tem a capacidade de fazer mudança na vida de

todos os brasileiros e de todas as pessoas que realmente precisam de cuidados médicos. Mas o SUS corre riscos grandes. Há um interesse e um entusiasmo

enorme em mudar a forma como ele é pensado e como ele foi concebido, e há um interesse enorme e um desejo bastante fortalecido de reduzir os direitos de

todos os cidadãos frente a saúde, quando o mundo inteiro discute cobertura universal e mostra que é preciso que o estado garanta saúde de qualidade. Isso

não acontece em São Paulo e por isso faço um cumprimento especial ao governador Geraldo Alckmin, que é um incansável defensor do SUS. E nessa luta por

garantia de direitos a Lei Brasileira de Inclusão fala com muita clareza sobre a garantia aos direitos da saúde.

Dra. Linamara apresenta cenário da Saúde e Reabilitação na Câmara Municipal

A Secretária destacou o pioneirismo de São Paulo em implementar a Rede de Reabilitação Lucy Montoro na capital e mais de dez municípios do interior de

São Paulo.

“A rede surge no estado de São Paulo em 2008 e alcança os cidadãos de diversas maneiras, a serviço de um número cada vez maior, por meio de serviços especializados,

de maior ou menor sofisticação, de acordo com a complexidade do quadro da pessoa com deficiência”, explicou.

A Secretária apresento a definição de reabilitação como “caracterizada por intervenções dirigidas às deficiências, limitações na realização de atividades,

ou restrições à participação, assim como fatores pessoais e ambientais, que tenham um impacto sobre a funcionalidade”, acrescentando que a reabilitação

é uma estratégia de saúde extremamente orientada ao indivíduo.

Ela destacou, ainda, que as necessidades apontadas pela LBI são um grito de alerta da atual população mundial. “As ideias quando são boas aparecem em
vários lugares simultaneamente. Desenvolvimento sustentável se dará se todas as pessoas estiverem dentro do sistema de saúde. As questões apresentadas

na LBI foram inspiradas pela Convenção da ONU sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência e exaustivamente discutidas nas várias reuniões realizadas

pela Organização Mundial da Saúde, em Genebra”.

Dra. Linamara explica que hoje são 1 bilhão no mundo, com deficiência, e em 2015 serão 2 bilhões

A Secretária afirmou que a legislação brasileira é moderna e nos coloca alinhados com os países desenvolvidos, porém para ser cumprida precisa ter a participação

da população que deve reivindicar e buscar os direitos de cidadania. “Um bilhão de pessoas hoje equivalem a 3% da população mundial com necessidades de

ajuda técnica e reabilitação. Em 2050, serão 2 bilhões de pessoas com deficiência e envelhecimento. Todos juntos podemos fazer a mudança, quando a gente

entende nossa capacidade de reivindicar a gente muda o mundo”, frisou.

Dra. Linamara afirmou que as tendências globais de saúde e envelhecimento indicam a necessidade de uma ampliação dos serviços de reabilitação nos países

ao redor do mundo, em particular os países de baixa e média renda. Ressaltou, ainda, que o investimento em reabilitação permite que pessoas com alguma

condição de saúde alcancem e mantenham um nível de excelência em funcionalidade, melhorem sua saúde e aumentem sua participação em situações diárias, tais

como a educação e o trabalho, aumentando sua produtividade econômica.

“Fortalecer a reabilitação é fundamental para responder à crescente demanda por esses serviços e para assegurar que estejam disponíveis e acessíveis a

todos que precisarem”, argumentou.

Segundo a Dra. Linamara, os benefícios da reabilitação são sentidos muito além do setor da saúde. A reabilitação pode reduzir os custos do tratamento e

permitir a participação das pessoas na educação e no emprego. A reabilitação deve ser integrada nos planos nacionais de saúde e nos orçamentos. “É preciso

agir de forma coordenada para ampliar os serviços de reabilitação e atender às demandas existentes”.

Diante do exposto, a Secretária apresentou algumas Recomendações, alinhadas com a Organização Mundial da Saúde, onde teve a oportunidade de coordenar reunião

e discutir o tema, recentemente.

RECOMENDAÇÕES:

Integrar os serviços de reabilitação nos níveis primário, secundário e terciário do sistema de saúde.
O subdesenvolvimento da reabilitação em muitos países em geral resultou em serviços que são oferecidos apenas em alguns níveis do sistema de saúde. A reabilitação,

no entanto, é necessária em todos os níveis, para a identificação das necessidades e para garantir a efetiva continuidade da assistência ao longo do processo

de recuperação. Encaminhamentos padronizados e mecanismos de coordenação entre os níveis ajudam a assegurar uma boa transição entre as fases de cuidado

e bons resultados.

Assegurar a disponibilidade de serviços em âmbito hospitalar e em nível comunitário
A reabilitação em ambientes hospitalares permite a intervenção precoce, auxiliando a recuperação, otimizando os resultados e facilitando a alta. Muitas

pessoas podem precisar de reabilitação muito tempo após a alta, enquanto outras podem apenas precisar de acompanhamento na comunidade. As pessoas com deficiência

sensoriais, cognitivas ou de desenvolvimento, por exemplo, podem ser beneficiadas por intervenções de longo prazo realizadas em casa, na escola ou no local

de trabalho.

Assegurar que recursos financeiros sejam alocados na reabilitação
A forma como os sistemas de saúde alocam recursos afeta significativamente a prestação de serviços. Contudo, muitos países não dedicam orçamentos específicos

para os serviços de reabilitação. A alocação de recursos para a reabilitação pode aumentar a disponibilidade e a qualidade dos serviços de reabilitação

e minimizar gastos diretos, que são uma barreira significativa ao uso dos serviços.

Assegurar a disponibilidade de uma força de trabalho multidisciplinar em reabilitação
Uma força de trabalho multidisciplinar nos sistemas de saúde garante que toda a gama de necessidades por reabilitação pode ser atendida. Já se demonstrou

a efetividade das intervenções multidisciplinares de reabilitação no tratamento de diversas condições crônicas, complexas e severas que podem afetar significativamente

os múltiplos domínios da funcionalidade (visão, comunicação, mobilidade e cognição). Como as diferentes disciplinas da reabilitação exigem habilidades

específicas, uma força de trabalho multidisciplinar pode melhorar significativamente a qualidade dos cuidados e os resultados de saúde. Assim, deve-se

levar em consideração a formação, o desenvolvimento e a retenção de uma força de trabalho multidisciplinar na elaboração de planos e orçamentos do setor.


terça-feira, 27 de junho de 2017

Corte de verbas federais ameaça formação de cães-guias

Curso criado em SC aguarda definição para abertura de novas turmas
Dagmara Spautz
Os sucessivos cortes de verbas no governo federal levaram a uma crise sem precedentes o projeto público de formação de instrutores de cães-guias em todo

o país, que nasceu no Instituto Federal Catarinense (IFC), em Camboriú, e já beneficiou mais de 20 deficientes visuais só na região Sul. Sem recursos na

Secretaria Nacional de Direitos Humanos (SDH), de onde deveria vir a verba, gestores do programa estão em busca de alternativas para manter o financiamento

do projeto. A fila de espera por um cão-guia, no cadastro nacional, tem mais de 400 pessoas.

Gente como o fisioterapeuta Roberto Leite, que perdeu a visão gradativamente, desde a infância. Ele conta que ganhou mobilidade e viu sua independência

crescer depois de ter recebido Dexter, um flat coated retriever formado em Camboriú, no final de 2015.

_ Nunca mais bati em uma placa de trânsito. Já fui até a Brasília com ele _ diz.

Os cursos de formação de instrutores, que resultaram na entrega de cães como Dexter, foram criados em uma parceria entre a SDH, que ficou responsável pela

manutenção, e o Ministério da Educação, através da Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica (Setec), que responde pela estrutura física dos sete

campi espalhados pelo Brasil _ por enquanto, Camboriú e Alegre (ES) estão em operação.

Ocorre que, desde 2012, o orçamento da SDH passou de R$ 8 milhões para R$ 1,8 milhão. Só a verba do projeto cão-guia, que é de R$ 2,8 milhões por ano,

já supera e muito esse valor.

Para que o projeto não fosse paralisado, este ano o MEC dividiu recursos de manutenção com a SDH, extraordinariamente. Só que os repasses estão atrasados.

Em Camboriú, a direção tem adiantado verbas da instituição para manter os custos, que incluem a compra de ração e tratamentos veterinários para mais de

40 cães.

Marco Antônio Juliatto, representante do Setec, esteve esta semana em Camboriú para acompanhar uma visita técnica da Federação Internacional de Cães-Guias,

e discutiu a situação financeira do projeto com a direção do campus. O ideal, afirma, é que outros ministérios também passem a integrar a verba, como Saúde

e Previdência Social.

O prazo para definir colaborações, no entanto, é curto: para que o dinheiro esteja em caixa no ano que vem, é preciso que a partilha seja definida até

agosto.

_ Estamos dando um jeito este ano, mas precisamos de outros parceiros. Outros ministérios não se mexeram ainda, mas também não foram provocados. A alternativa

que temos é a divisão _ diz Juliatto.

Até que a definição ocorra, os campi estão de mãos atadas para anunciar novas turmas e aumentar o plantel com novos filhotes. Nem mesmo o edital para que

mais deficientes visuais se cadastrem é aberto.

Em Camboriú, há no momento quatro instrutores em fase final de formação e 40 cães em treinamento.

Fundos aguardam aprovação

Uma das alternativas para garantir a continuidade do programa federal de distribuição de cães-guias seria a criação de um fundo nacional para a pessoa

com deficiência, que pudesse absorver recursos privados, vindos de impostos, e direcioná-los para políticas públicas de assistência.

Há dois projetos para isso tramitando no Congresso Nacional, um na Câmara dos Deputados e um no Senado. Por falta de pressão popular, no entanto, eles

não entram na pauta de votação.

A outra possibilidade é a abertura de espaço para parceria público-privada na manutenção dos projetos de formação. Os institutos federais de Camboriú e

Alegre, no Espírito Santo, estudam a possibilidade de integrarem uma fundação _ o que abriria espaço para doações diretas da iniciativa privada.

DIÁRIO CATARINENSE

Universidade do Rio desenvolve livro digital para pessoas com deficiência

A adaptação de livros didáticos tradicionais para estudantes cegos, surdos, com deficiência intelectual e autismo vem sendo desenvolvida pela Universidade

Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ) a partir de um projeto do Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) e da organização não governamental (ONG)

Movimento Down, iniciada em 2014. O livro vem sendo desenvolvido no Brasil por pesquisadores do Observatório de Educação Especial e Inclusão Escolar (ObEE)

da UFRRJ.

A universidade conta com uma equipe interdisciplinar, formada por pesquisadores de diferentes instituições do estado, como a Universidade do Estado do

Rio de Janeiro (Uerj), o Colégio Pedro II, a Pontifícia Universidade Católica (PUC-Rio), envolvendo as áreas de educação e tecnológica. “Estamos com o

protocolo pronto. e já em fase de compra de materiais. O dinheiro foi liberado só agora. Estamos adquirindo os tablets, informou hoje (19) à Agência Brasil

a coordenadora do grupo de pesquisa do departamento, Márcia Pletsch.

O observatório está formando, 200 professores de educação especial nas redes de ensino de oito municípios da Baixada Fluminense (Belford Roxo, Duque de

Caxias, Nova Iguaçu, Nilópolis, Mesquita, Japeri, Queimados e São João de Meriti). Eles participam do curso de extensão Ensino e Aprendizagem para Estudantes

com Deficiência: Estratégias Curriculares e Recursos Tecnológicos, iniciado em fevereiro, que aborda tecnologia, desenho universal, acessibilidade, inclusão,

desenvolvimento humano.

Em campo

O livro didático digital vem sendo desenvolvido na perspectiva da metodologia do Desenho Universal para a Aprendizagem (DUA). A ideia é começar a aplicação

do projeto-piloto em agosto. Alguns dos professores serão selecionados para turmas de alunos cegos, surdos, com autismo e deficiência intelectual. “Temos

que ir para as escolas, no contexto real das salas de aula, para validar o protocolo”, disse Márcia.

Escolas de 16 municípios que já haviam estabelecido parceria anterior em projeto sobre deficiência intelectual tiveram prioridade. De acordo com Márcia,

serão estudados quatro casos de cada deficiência. Um protocolo ético e metodológico na área de humanas será seguido, incluindo autorização das famíliaspara

filmagens.

A equipe de pesquisadores da UFRRJ e da Uerj vai atuar junto aos professores, acompanhando a aplicação do livro digital nas salas de aulas. Márcia Pletsch

lembrou que. para garantir acessibilidade a todos, o projeto observa especificidades teóricas de linguagem e construção do desenvolvimento cognitivo dos

diferentes tipos de deficiência.

O projeto é pioneiro e inédito, “inclusive internacionalmente”, ressaltou a coordenadora. “Se conseguirmos acessibilidade para um livro didático digital

na Baixada Fluminense, conseguiremos em qualquer lugar do planeta”. Caso o projeto seja validado, poderá ser replicado em qualquer lugar do mundo. “A proposta

é validar o projeto do Unicef e fazer uma devolutiva para o órgão das Nações Unidas”. O Unicef Brasil está acompanhando a aplicação.

Audiências públicas

Após o trabalho em campo, previsto para o final de outubro, o Observatório vai submeter o piloto do livro à aprovação em audiências públicas, abertas às

comunidades, com participação de adultos com deficiências e especialistas das áreas. O objetivo é elaborar um conteúdo que possa orientar a produção de

livros digitais acessíveis.

As audiências devem começar em janeiro, depois do trabalho interno dos pesquisadores. Para o projeto piloto, foi selecionado o livro didático mais escolhido

do Programa Nacional do Livro Didático, de 2015. O conteúdo foi transformado para se tornar acessível aos quatro níveis de deficiência, e ser inserido

em tablets, para escolas. A partir da validação, a universidade poderá solicitar o registro de patente do protótipo.

Fonte: site Agência Brasil por Alana Granda.

: Alunos usam conceitos matemáticos para ajudar estudantes com deficiência visual

Os estudantes dos primeiros anos do ensino médio do Colégio São Paulo Apóstolo, em Curitiba, tiveram uma experiência diferente neste mês de junho durante

as aulas de Matemática. Eles foram desafiados a produzir um material que pudesse auxiliar alunos com deficiência visual a aprender a disciplina. O objetivo

da prática foi incentivar a realização de trabalhos sociais e vivenciar experiências de pessoas com deficiência visual.

A atividade resultou no projeto “Áreas das figuras geométricas numa perspectiva de inclusão”, composto por figuras de alto relevo e letras com o alfabeto

Braille, que auxiliam estudantes com cegueira a perceberem altura, lados e base das figuras e, com isso, a compreenderem melhor os conteúdos matemáticos.

O material será doado ao Instituto Paranaense de Cegos (IPC), de Curitiba.

O trabalho foi orientado pela professora de Matemática Patrícia Pelogia Santos. Segundo ela, o objetivo, além de reforçar os conteúdos da disciplina, foi

despertar nos estudantes a sensibilidade e o voluntariado. “A ideia é que eles vivenciem experiências diferentes do que estão acostumados e que possam

ter um outro olhar sobre as dificuldades e a superações de pessoas com deficiência visual”, disse a professora.

A pesquisa foi assessorada por professores do IPC para que o material estivesse em conformidade com as práticas pedagógicas e as necessidades dos alunos

com deficiência visual. “Era preciso que o material pudesse ser usado pelos alunos, mas que também o professor pudesse utilizar para transmitir os conteúdos”,

explicou Patrícia.

NA PRÁTICA - Depois de estudar cálculos de área, gráficos e geometria na teoria, os 175 alunos do colégio estadual assistiram a um documentário com depoimentos

de pessoas cegas contando os desafios diários e como superam os obstáculos.

Eles receberam também a visita de estudantes com deficiência visual que contaram como é a rotina de estudo, além de assistirem a uma apresentação dos principais

materiais de estudo, como a máquina de escrever em Braille, o computador com auxílio dos aplicativos dosvox, nvda, e mecdaysi e, ainda, a máquina de cálculo

soroban. “Essa experiência contribui para que os alunos desenvolvam um olhar de empatia diante das necessidades dos demais”, disse a professora.

Após a pesquisa e a apresentação, os estudantes elaboraram um material de acessibilidade que será doado ao Instituto Paranaense de Cegos. O conteúdo será

usado nos atendimentos de apoio escolar dos ensinos fundamental e médio, com cerca de 150 crianças, adolescentes e adultos. “É importante que eles conheçam

e percebam que as pessoas com deficiência visual têm as mesmas potencialidades de aprender”, destacou a professora de apoio escolar do instituto, Ana Paula

de Oliveira Vieira, que acompanhou e assessorou a atividade.

EXEMPLO DE CIDADANIA – A atividade proporcionou diferentes experiências aos estudantes, que presenciaram histórias de superação dos alunos com deficiência

visual. “Fiquei feliz com a atividade porque sei que de alguma forma ajudamos a melhorar o aprendizado desses estudantes. Foi uma experiência muito boa,

que contribui para mudar minha percepção do mundo”, disse a estudante Camile de Lara, de 15 anos, que fez o trabalho junto com sua irmã, Caroline de Lara,

também de 15 anos.

A aluna Beatriz Cavalcante de Camargo, 15 anos, contou que a iniciativa despertou o interesse em ajudar o próximo. “Essa iniciativa da professora foi muito

boa porque, além de ensinar de uma forma divertida, mostrou que se preocupa com seus alunos e com as pessoas ao seu redor. Fazer esse trabalho, conhecer

as experiências das pessoas com deficiência visual foi uma experiência muito gratificante que serviu de exemplo para eu querer ajudar ainda mais quem precisa”,

contou a estudante.

Todo ano a professora desenvolve pelo menos um projeto social relacionado aos conteúdos matemáticos vistos em sala. No ano passado, os estudantes do 1°

ano do ensino médio confeccionaram 26 edredons, colchas e cobertores, arrecadados pelos próprios estudantes, que em seguida foram doados à Casa de Idoso

Nova Canaã, vizinha à escola. Para produzir as doações, os alunos utilizaram conhecimentos cálculos de área, gráficos e geometria.

Fonte:
http://www.aen.pr.gov.br/modules/noticias/article.php?storyid=94349tit=...

segunda-feira, 26 de junho de 2017

Especialmente 4': mãe do DF faz vaquinha online para quadrigêmeos deficientes

Em dois meses, campanha arrecadou R$ 1,9 mil; meta é de R$ 50 mil. Mãe procura ajuda para irmãos que nasceram com lesão cerebral; os cinco embriões implantados

'vingaram'.
Por Yasmim Perna*, G1 DF
Linda Mar com os filhos, Rebeca, Davi, Ester e Marta (da esquerda para direita) (Foto: Yasmim Perna/G1)

Afamília de Marta, Davi, Ester e Rebeca lançou a campanha “Especialmente 4” e tenta arrecadar até R$50 mil para ajudar nos gastos diários. Os quadrigêmeos,

de 17 anos, nasceram com lesão cerebral. A ajuda vai financiar os gastos com remédios controlados, fraldas e tratamentos. Até esta sexta (12), a família

já tinha conseguido arrecadar R$ 1,9 mil.

A mãe dos gêmeos, Linda Mar Miranda, de 56 anos, contou ao G1 que a ideia da campanha veio da filha mais velha, de 28 anos, Vanessa Miranda.

citação
“A campanha é voltada para ajudar a todos, mas exclusivamente a Ester. Ela nasceu mais especial, não anda, não fala e tem hidrocefalia. Então os gastos

são diários”, diz a página.
fim da citação

Ester, entre os quatro, é a que tem um quadro médico mais delicado. “Ela nasceu com hidrocefalia, não anda, tem o pézinho torto, uma válvula no cérebro

e tem convulsões”, conta Linda Mar. Os irmãos também precisam de cuidados especiais e tiveram sequelas graves.

Marta teve a visão comprometida, e tem uma perna maior que a outra. Davi tem o lado esquerdo paralisado, e retardo mental. Rebeca não teve comprometimento

psicológico, mas apresentou um distúrbio que interfere no crescimento.

Quadrigêmeos nasceram com lesão cerebral (Foto: Arquivo Pessoal)
Linda Mar tinha o sonho de ser mãe novamente e teve os gêmeos após procedimento de inseminação artificial no Hospital Materno Infantil de Brasília (Hmib),

em 2000. Ela teve uma gravidez de risco, por causa da idade, e os cinco embriões que foram introduzidos no útero "vingaram".

citação
“Depois de 15 dias me avisaram que eu teria os cinco. Foi uma gravidez de risco e fiquei internada por meses. No dia seguinte ao parto, a Sarinha morreu”,

conta.
fim da citação

Com o quadro mais delicado entre os irmãos, Ester é totalmente dependente dos cuidados da mãe. Os irmãos frequentam a escola, em meio período. A rotina,

segundo a mãe, é cansativa e envolve consultas médicas regulares – além de problemas pontuais, os jovens são acompanhados por especialistas do hospital

Sarah Kubitschek.

Fora do horário de escola, Marta gosta de desenhar vestidos – ela cita o curso superior de moda como alternativa para o futuro, mas diz também pensar em

fazer fisioterapia. Fã de Paula Fernandes, ela contou ao G1 que gosta de cantar e sonha em fazer aulas de música e canto.

Já Rebeca, é estudiosa, gosta de ler e quer ser advogada quando crescer. “Ela não sossega enquanto não faz os deveres de casa”, contou a mãe. Davi adora

jogar futebol e é "viciado" em equipamentos eletrônicos. Segundo as irmãs, também “adora escutar rap e é fã de MC Pedrinho.”

Serviço de inseminação

De acordo com a Secretaria de Saúde, o Hmib oferece o serviço de reprodução humana assistida e tem, hoje, 5,4 mil inscritas no grupo de fertilização in

vitro. Deste número, 4 mil mulheres já foram chamadas para o procedimento.

A mulher que tiver interesse no serviço deve levar um pedido de encaminhamento de um médico da rede pública, e solicitar agendamento para o ambulatório

de Reprodução Humana do HMIB. A mulher deve ser monitorada pela equipe, responsável pela introdução dos embriões no útero.

*sob supervisão de Maria Helena Martinho

fonte g1

Tela sensível ao toque de baixo custo permite deficiente visual sentir formas

al sentir formas
Jure Eren/Delo
O aparelho consiste em um tablet, uma película colocada sobre a tela e um aplicativo
O aparelho consiste em um tablet, uma película colocada sobre a tela e um aplicativo

MAJA PRIJATELI VIDEMEK
DO "DELO"

24/06/2017 aluna de ensino básico no Centro Iris para Jovens Cegos e Deficientes Visuais, está deslizando seus dedos pela tela de um tablet recoberta por

uma película especial. Ao seguir a vibração dos pontos, ela habilidosamente detecta a forma de um quadrado na tela. Em seguida, ela tenta resolver um jogo

de memória, e fica feliz a cada vez que encontra pares de placas mostrando animais semelhantes, e é recompensada com o som do animal identificado.

Ela conhece bem o aparelho da
Feelif
 porque já o testou diversas vezes e está contribuindo com sugestões para o seu desenvolvimento. Essa tecnologia inovadora criada pela 4WEB, uma empresa

da Eslovênia, não só tornará mais fácil a vida de Mia mas pode
melhorar a vida de milhões de outros cegos e deficientes visuais
 em todo o planeta.

entes visuais podem ser muito habilidosos no uso de tablets e smartphones dotados de telas de toque. A grande inovação oferecida pelo
dispositivo multimídia da Feelif agora permite que eles também sintam as formas de objetos em superfícies unidimensionais.

Até o momento, a coisa mais próxima disso era uma tela gráfica em braille que exibe formas por meio de pinos elevados, mas o custo é proibitivo: o preço

de uma tela como essa é de 50 mil euros (cerca de R$ 185 mil). Apenas instituições educacionais para os cegos e deficientes visuais teriam recursos para

comprá-las.

O sistema da Feelif é cem vezes mais barato. Eljko Khermayer, inventor do sistema e fundador da agência digital 4WEB, afirma que seu dispositivo pode abrir

novas dimensões de uso de informação em formato digital, como o reconhecimento de formas via tato, e também permitiria desenho e o uso de histórias interativas.


Essa capacidade pode ocorrer naturalmente para as pessoas com visão, mas era inacessível até agora para os cegos e deficientes visuais.

BRAILLE E GEOMETRIA

A ideia do Feelif ocorreu a Eljko em 2013, quando ele estava assistindo a um documentário sobre os cegos e surdos da Eslovênia. Ele ficou profundamente

comovido por essas pessoas ficarem privadas de tantas experiências por não serem capazes de ver, e por elas ficarem isoladas do resto do mundo devido aos

custos elevados da tecnologia de comunicação. Então decidiu ajudar.

Jure Eren/Delo
Criança utiliza a tela sensível ao toque para deficientes visuais
Criança utiliza a tela sensível ao toque para deficientes visuais

Eljko começou a desenvolver tecnologias inovadoras para os cegos e deficientes visuais, como o uso de vibrações, sons e vozes para ajudar usuários a identificar

formas exibidas na tela de um tablet, ou formas que eles mesmos tivessem desenhado. Os pequenos pontos elevados na película permitem orientação melhor

à medida que o usuário desliza os dedos pela tela.

O Feelif foi desenvolvido com a ajuda de alunos do ensino básico, e por isso seu conteúdo se concentra em matérias escolares, diz Katarina Pavek, que trabalha

na 4WEB. O aplicativo será muito útil para o aprendizado de braille e funções geométricas, e permitirá aprendizado mais rápido e estudo independente. A

4WEB também está procurando maneiras de aplicar a tecnologia aos adultos. Um dispositivo está sendo testado no mercado esloveno e os primeiros usuários

vão recebê-lo dentro de um mês.

Porque tem por objetivo ser divertido, o Feelif também estimulará o aprendizado. É bem sabido que crianças cegas e deficientes visuais em muitos casos

enfrentam dificuldade para manter a atenção. "Elas precisam de mais encorajamento durante seu processo de aprendizado", explica Katarina. Ela acrescenta

que os métodos de aprendizado existentes ainda são necessários para ajudar as crianças a desenvolver seu controle muscular fino.

Damian, 10, perdeu a visão por causa de uma doença e estava muito empolgado por poder desenhar. "Desenhando com um lápis, você não sente a forma com os

dedos Com o Feelif, isso se torna possível. E é bem fácil aprender a usá-lo", diz Damian.

Maja Koritnik, mãe de uma criança deficiente visual, diz que "os pais de crianças cegas e deficientes visuais veem o benefício do trabalho da Feelif em

uma abordagem simples e inovadora. A fonte da ideia é a disposição honesta de ajudar os outros e, ao mesmo tempo, a ideia é reflexo da responsabilidade

social da equipe do Feelif".

MILHÕES DE POTENCIAIS USUÁRIOS

O dispositivo multimídia do Feelif consiste em um tablet, uma película em relevo colocada sobre a tela e um aplicativo que conecta todas essas partes em

uma experiência que pode ser sentida pelos dedos de uma pessoa cega. O produto custa 500 euros (cerca de R$ 1.850). "Quando estivermos seguros de que ele

atingiu nível excelente, vamos colocá-lo à venda no mercado mundial, primeiro na Europa e mais tarde nos Estados Unidos", diz Katarina. Há cerca de 14

milhões de usuários potenciais do dispositivo nesses dois mercados e 88 milhões de usuários potenciais no planeta.

Jure Eren/Delo
No mundo, há cerca de 88 milhões de usuários em potencial
No mundo, há cerca de 88 milhões de usuários em potencial

A empresa também está desenvolvendo uma plataforma aberta que criará uma rede de pessoas conectadas aos cegos e deficientes visuais: os deficientes visuais

mesmos, seus pais, professores e aqueles que desejem criar conteúdo apropriado para eles. A plataforma facilitará o compartilhamento ou venda de conteúdo,

o que por sua vez pode criar novas oportunidades de negócios para os cegos e deficientes visuais, e para seus pais.

A 4WEB está em busca de capital para desenvolver essa plataforma aberta e, considerando seu sucesso com inovação, isso não deve ser muito difícil. No Webit

Europe Festival deste ano, em Sófia, na Bulgária, eles ficaram com o segundo prêmio na categoria inovação, entre 2.425 start-ups.

A 4WEB também ganhou um concurso esloveno de inovação social e foi uma das cinco finalistas na conferência de start-ups de Podim, na região de Alpe-Adria.

A Unesco incluiu o dispositivo da Feelif em sua lista de 150 melhores inovações mundiais. Eljko Khermayer, fundador e presidente-executivo da companhia,

também foi incluído na lista de cem inovadores mais influentes na Europa Central e Oriental.

Tradução de PAULO MIG fonte  Folha de S.Paulo

Abertas inscrições para o IV Prêmio Melhores Empresas para Trabalhadores com Deficiência

sábado, 24 de junho de 2017

Itaú Cultural celebra 30 anos com exposição acessível em SP

O Itaú Cultural celebra suas três décadas de funcionamento com a exposição
“Modos de Ver o Brasil: Itaú Cultural 30 Anos” Site externo.
A exposição, que começou em maio, conta com centenas de obras de arte, incluindo parte do acervo do Itaú Unibanco.

Os quatro andares da Oca, no Parque do Ibirapuera, estão ocupados pela mostra, que tem recursos de acessibilidade desenvolvidos pela Mais Diferenças. São

oito objetos táteis criados pela MD. Além disso, há audiodescrição de 16 obras e narração dos textos institucional e curatorial.

Esta é mais uma oportunidade em que Itaú Cultural e a Mais Diferenças unem esforços em torno de uma exposição acessível. A mais recente foi a Ocupação

Laura Cardoso, encerrada em maio.

A exposição ressalta os esforços do instituto em incentivar a criação, a manutenção da memória e o pensamento crítico na cultura. Publicações impressas

e produtos audiovisuais produzidos pelo Itaú Cultural estarão disponíveis no espaço.

O quê: Exposição Modos de Ver o Brasil: Itaú Cultural 30 Anos
Quando: de terça-feira a domingo, das 9h às 18 horas. Até 13 de agosto
Onde: Oca
Endereço: Avenida Pedro Álvares Cabral, entrada pelo portão 3 do Parque Ibirapuera. São Paulo/SP.
Telefone: (11) 3105-6118
Gratuito

Foto em plano aberto da exposição mostrando dois andares da Oca. No chão, há diversas esculturas e, nas paredes, quadros de tamanhos diversos

Fonte:
Mais Diferenças Site externo

Deficiente visual, filha de Roger ganha surpresa e sente gol do pai: "Eu consegui"

Sem enxergar desde o nascimento, Giulia recebe quadro em alto relevo com momentos da pintura feita pelo atacante diante do Sport. Jornalista Luis Roberto

surpreende a família
Por Felippe Costa e Marco Antônio Araújo, Rio de Janeiro
Luis Roberto dá presente especial para Giulia, filha do atacante Roger do Botafogo
Brincalhona, inteligente e, principalmente, feliz. Assim podemos definir a vida de Giulia, filha do atacante Roger, do Botafogo. Mesmo sem enxergar desde

que nasceu há 11 anos, "Tatá", como é carinhosamente chamada pela família, sempre acompanhou a carreira do pai e os gols narrados na televisão através

das sensações. Agora, um deles ficará marcado para sempre em sua vida.

Giulia ganhou uma surpresa no mês do aniversário. Responsável pela narração do golaço de Roger (confira, abaixo), contra o Sport, pela Copa do Brasil,

o jornalista Luis Roberto, da TV Globo, visitou a casa do atacante e levou um quadro em alto relevo com três momentos da jogada para que ela pudesse sentir

o feito do pai. Roger, então, foi explicando o lance, enquanto a filha acompanhava tudo com as mãos e se entusiasmava a cada detalhe narrado.

Descrição da imagem: filha de Roger sente o gol do pai no quadro em relevo, ao lado do atacante e de Luis Roberto (Foto: Felippe Costa)
citação
- Estou muito feliz de poder sentir um gol do meu pai. Sempre acompanho os jogos e comemoro os gols pela televisão, mesmo sem saber como eles são feitos.

Vocês conseguem entender o que fizeram? Gente, eu nunca tive essa noção... Eu queria ter essa noção algum dia e vocês conseguiram trazer. Pai, o gol foi

lindo! Foi, não foi? Agora, eu consegui - vibrou.
fim da citação

Gol do Botafogo! João Paulo lança e Roger dribla marcador e marca aos 11 do 1º tempo

Tratamento na China

A deficiência visual começou a ser percebida quando ela tinha apenas três meses. Depois de alguns exames, foi constatada uma Displasia Septo-Óptica, que

trata-se de um raro transtorno caracterizado por malformações da linha média do sistema nervoso central.

O diagnóstico dos médicos fez com que o atacante chegasse a apostar em um tratamento experimental desenvolvido na China. Inconformado com a situação de

sua filha, Roger, que na época jogava no Vitória, seguiu os conselhos de um casal de amigos e mandou Giulia e sua mãe Elizabeth para fora do país em busca

da tão sonhada cura. A experiência, no entanto, não deu o resultado esperado. Mas serviu para confortar a família.

citação
- Giulia ficou em tratamente por 45 dias, mas não foi o que esperávamos. Começamos a entender que esse era o plano de Deus para a nova vida. Era ter a

Giulia do jeito que Deus nos mandou. Fomos escolhidos para ter uma filha tão especial e querida. Realmente foi duro, mas hoje encaramos com tranquilidade.

Eu tentei. O que eu quero é que ela saiba que eu e minha esposa tentamos o que tinha de melhor. As pessoas precisam tentar. O tratamento melhorou muito

de um tempo para cá. Quero vê-la na paralimpíada. Faz natação muito bem. O esporte quebra barreiras, agrega, anima... Vivo sonhando por ela. A Giulia não

tem limites.
fim da citação
Descrição da imagem: quadro 3D com o gol de Roger, do Botafogo (Foto: Felippe Costa)
Visivelmente emocionado, Luis Roberto falou da importância da narração e disse que é fundamental descrever o lance com detalhes. Segundo ele, é preciso

passar tudo com o coração.

citação
- O tom da narração é importante. É a soma de uma série de coisas. O futebol é muito paixão e você precisa falar com o coração. Esse gol era muito importante

e valia a classificação na Copa do Brasil. A dimensão disso tudo você tem que passar. Tem que ser com o coração, ser apaixonado. E um pouco da descrição

da situação. A televisão é um veículo de ruído. Às vezes... É um telefone que toca, é alguém que te chama em casa... Então o tom da narração é um chamativo

para o cara voltar para a televisão. É o que procuramos passar.
fim da citação
Descrição da imagem: Roger posa para foto ao lado de Giulia, a mulher e o narrador Luis Roberto (Foto: Felippe Costa)
Enquanto segue sonhando com a Paralimpíada, Giulia, que também já fez aulas de jiu-jitsu, alimenta outro grande objetivo: participar do The Voice Kids,

programa musical da TV Globo. Roger aproveitou a presença de Luis Roberto, fez um marketing pela filha e brincou:

- Esse padrinho tem força, Giulia (risos).

Artilheiro do Botafogo na temporada e destaque do time na vitória por 3 a 1 diante do Vasco, na última quarta-feira, Roger vive um grande momento. Feliz,

realizado pessoalmente e profissionalmente, o atacante sabe que, mais do que fazer um gol, ele estará sempre proporcionando alegria para sua fã número

1, que, de casa, torce como ninguém pelo seu sucesso.

SOU BOTAFOGO (Foto: Divulgação)

Cientistas revelam tratamento promissor contra degeneração macular

Um tratamento permitiu pela primeira vez reduzir significativamente o avanço da degeneração macular, a principal causa de cegueira a partir dos 60 anos,

segundo os resultados de um ensaio clínico apresentados na quarta-feira na revista Science Translational Medicine.

O estudo clínico de fase II foi realizado com 129 pacientes durante 18 meses para avaliar a inocuidade e a eficácia dos anticorpos Lampalizumab, do laboratório

suíço Roche.
Dois ensaios clínicos de fase III, com 936 pacientes, começaram recentemente, e os resultados serão divulgados em 2019.

A degeneração macular relacionada à idade (DMRI) é uma condição que afeta a parte central da retina, a mácula, essencial para ler, escrever e reconhecer

rostos.
É resultado de um envelhecimento paulatino dos neurônios fotorreceptores que captam a luz e a transformam em sinais que são transmitidos ao cérebro.

O Lampalizumab age sobre um mecanismo de defesa imunológico particular relacionado a esta degeneração incurável.

O estudo de fase II mostrou uma redução de 20% do avanço das lesões com uma injeção mensal de Lampalizumab.
Um total de 57% dos portadores de um marcador genético conhecido como CFI+ experimentaram uma redução de 44%.

Mas para os portadores de outro marcador genético, o CFI-, o tratamento não fez efeito.
Não foram observados efeitos colaterais graves, destacaram os pesquisadores.
"A degeneração macular afeta cerca de cinco milhões de pessoas no mundo, mais de um milhão delas nos Estados Unidos, e é a causa de 20% dos casos de cegueira

nos países desenvolvidos", disse Erin Henry, chefe de pesquisa médica da divisão de oftalmologia de Genentech, subsidiária americana da Roche.
"Atualmente não existe nenhum tratamento eficaz ou autorizado pela agência americana de medicamentos (FDA) contra esta patologia, e temos a esperança de

que os dois ensaios clínicos (de fase III) em curso demonstrem o potencial do Lampalizumab para tratar estes pacientes", acrescentou.

Fonte:
http://www.em.com.br/app/noticia/internacional/2017/06/21/interna_intern...

sexta-feira, 23 de junho de 2017

Pessoas com deficiência participam da 21ª edição da Parada do Orgulho LGBT

Pela primeira vez, o desfile teve uma área específica na qual mulheres, homens e crianças com deficiência puderam participar

Imagem do post

Pessoas em cadeira de rodas, com mobilidade reduzida e demais deficiências reunidas na Avenida Paulista na Parada do Orgulho LGBT. Há diversos balões coloridos.


No último domingo 18, em frente ao MASP, pessoas com deficiência participaram da 21ª edição da maior e mais inclusiva parada do Orgulho LGBT do mundo:

na ala reservada para elas - à frente do primeiro trio elétrico do desfile - mulheres, homens e crianças em cadeiras de rodas e com muletas cantavam e

dançavam hinos da comunidade LGBT. Ao todo, 100 pessoas estavam no espaço – 60 delas com deficiência.

Em meio a balões coloridos onde se lia a palavra “Pride” – que significa orgulho em inglês –, elas esbanjaram sensualidade, alegria e criatividade com

suas diferentes fantasias. Quem também posou para a foto na companhia das pessoas com deficiência foi a madrinha da Parada LGBT, a apresentadora Fernanda

Lima.

A acessibilidade do eventos foi planejada e viabilizada através de uma parceria entre a Associação da Parada do Orgulho LGBT (APOGLBT SP) e a Prefeitura

de São Paulo – via Secretaria da Pessoa com Deficiência (SMPED), do Conselho Municipal da Pessoa com Deficiência (CMPD), Secretaria Municipal de Direitos

Humanos e Cidadania (SMDHC) e da ativista Ivone de Oliveira “Gata de Rodas”, dona do blog homônimo, foi quem criou o grupo técnico de acessibilidade da

associação para discutir essa questão: “Foi puro êxtase”, declarou sobre a parada.

“Pela primeira vez, as pessoas com deficiência puderam desfrutar de uma ala organizada especialmente para elas. Reconhecer seus direitos sexuais e reprodutivos

é um dever da sociedade, por isso promovemos uma inclusão sem precedentes na parada e vamos trabalhar para ampliar a acessibilidade no ano que vem”, afirmou

o secretário da Pessoa com Deficiência, Cid Torquato.

A drag queen conhecida com “Tchaca”, responsável pela abertura e apresentação do desfile, teve suas falas traduzidas pelos intérpretes da Língua Brasileira

de Sinais (Libras) da SMPED. A locomoção da Avenida Paulista rumo à Consolação só começou depois que o bloco das pessoas com deficiência estava totalmente

preparado para dar a largada. O show de encerramento do evento, realizado no Vale do Anhangabaú, teve tradução em Libras e espaço reservado para pessoas

com deficiência.

Inúmeros funcionários e colaboradores da Secretaria e do Conselho Municipal da Pessoa com Deficiência se desdobraram para garantir a segurança perante

a multidão, que saudava e aplaudia o bloco da inclusão.

fonte s m p e d

Sistema permite que deficientes visuais andem sem usar bengala

Solução criada em instituto dos Estados Unidos permite que deficientes visuais substituam a bengala por um sistema de identificação de obstáculos acoplado

ao corpo. Nos testes, o mecanismo reduziu as colisões em até 86%
Imagem mostra pessoa fazendo percurso dentro de sala com o sistema acoplado ao corpo: segundo testes, a tecnologia reduz em até 86% o número de colisões

com outras pessoas em um salão movimentado
Um acessório muito usado pelos deficientes visuais para se locomover é a bengala. Prática de carregar e leve, ela acusa a presença de obstáculos e evita,

ao máximo, as colisões indesejadas. Não consegue, porém, identificar o que toca, uma mesa, uma cadeira ou outra pessoa, por exemplo.
Tentando resolver esse problema, pesquisadores do Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT, pela sigla em inglês) criaram um sistema de orientação

que permite ao usuário andar em um ambiente interno sem usar a bengala. Pendurada no pescoço do deficiente visual, uma câmera 3D sonda a região à frente

dele, identificando obstáculos e o quão distantes estão. O usuário é, então, orientado sobre qual direção deve se locomover por meio de vibrações emitidas

por um cinto. No acessório, também fica presa uma tela em braile que ajuda no processo de locomoção.

Segundo testes, a tecnologia reduz em até 86% o número de colisões com outras pessoas em um salão movimentado, quando se compara deficientes visuais no

mesmo ambiente usando a bengala para se locomover. Além disso, ao procurar uma cadeira, os voluntários entraram em contato com 80% menos objetos indesejados

no percurso quando estavam com o novo dispositivo.
“Ter algo que não interferisse com os outros sentidos foi importante. Nós não queríamos usar áudio, não queríamos ter algo ao redor da cabeça ou vibrações

no pescoço. Testamos esses métodos com deficientes visuais, mas nenhum foi aceito”, diz Robert Katzschmann, um dos principais autores do artigo, apresentado

na Conferência Internacional de Robôs e Automação, em Cingapura, no início deste mês.

Algoritmo-chave
A câmera 3D é capaz de detectar profundidades, algo extremamente importante para a locomoção de um deficiente visual. A câmera fica na altura do peito

do usuário, dentro de uma bolsa de couro, que também guarda um pequeno computador. As imagens são processadas por um algoritmo também criado pelos pesquisadores

e considerado o elemento-chave do sistema. Ele organiza os pixels da filmagem em grupos de três. Se cinco grupos adjacentes estiverem em um ângulo menor

que 10 graus entre eles, ou seja, se esses grupos estiverem aproximadamente no mesmo plano, o programa conclui que formam uma mesma superfície.
O algoritmo não precisa necessariamente identificar o objeto, mas avisar ao usuário se ele estiver muito próximo. A facilidade para a movimentação do deficiente

visual vai além do caminhar. A solução avisa, por exemplo, a existência de uma cadeira vaga. Nesse caso, o algoritmo analisa uma determinada superfície

três vezes. Se ela for paralela ao chão e estiver em uma altura compatível com o tipo de móvel, ele avisa que há uma cadeira desocupada. Caso haja alguém

sentado, não identifica o objeto.
As informações são passadas para o usuário por dois aparelhos: um cinto com motores vibratórios e uma tela em braile. Quando o deficiente chega a menos

de dois metros de um objeto, o cinto vibra, indicando qual direção tomar para se desviar. Quanto menor a distância, mais forte é a vibração. “Nós descobrimos

que a área do corpo menos usada pelos outros sentidos fica ao redor do abdômen”, conta Robert. Já a tela em braile exibe símbolos, como a letra C para

cadeiras, e indica a direção e a proximidade de um obstáculo.

Aprendizagem
“A grande dificuldade é que o usuário precisa aprender a usar o dispositivo”, avalia Emerson Fachin-Martins, professor do Programa de Pós-Graduação em

Ciências e Tecnologias da Saúde da Universidade de Brasília (UnB). “Para usá-lo, a pessoa precisa saber braile. Não é todo cego que sabe braile. E precisa

saber usar os dispositivos vibratórios.” Segundo o especialista, muitos deficientes visuais preferem a bengala porque ela é muito mais simples de aprender

a usar do que os sistemas tecnológicos.
Por esse motivo, afirma Andréa Sonza, assessora de Ações Inclusivas do Instituto Federal do Rio Grande do Sul (IFRS), os futuros usuários devem sempre

ser ouvidos nas pesquisas voltadas para a tecnologia assistiva. “Qualquer dispositivo feito em conjunto com as pessoas com deficiência é sempre importante.

Se elas aprovam, a pesquisa é válida”, argumenta. Sonza chama a atenção ainda para a quantidade de pessoas que podem ser beneficiadas com projetos nessa

linha: segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), 3,6% dos brasileiros (cerca de 9,3 milhões) têm deficiência visual, sendo que

o grau intenso ou muito intenso da limitação impossibilita 16% deles de realizarem atividades rotineiras, como ir ao trabalho e brincar.
Os pesquisadores do MIT realizaram diversos testes em que pessoas cegas percorreram labirintos e corredores e localizaram cadeiras vazias em uma sala usando

a nova solução. As tarefas foram executadas sem o auxílio da bengala. Porém, quando as duas alternativas foram usadas juntas, a velocidade e a confiança

dos deficientes foram bem maiores. “Parece ser algo viável”, avalia Andréa Sonza. “Quanto menor e mais fácil de carregar, melhor.”

Campos diversos
Criado em 1988, o termo tecnologia assistiva refere-se aos recursos e serviços que podem contribuir para proporcionar ou ampliar as habilidades de pessoas

com deficiência. Os recursos são variados, incluindo soluções como softwares e hardwares voltados para a acessibilidade e equipamentos de comunicação
e locomoção alternativa. Os serviços são geralmente multidisciplinares e envolvem áreas como medicina, psicologia, engenharia e computação.
fonte Correio Braziliense

Cachorro cego de um olho "compra" sua ração sozinho, todos os dias, e vira hit na web

quinta-feira, 22 de junho de 2017

Deficiente visual encontra na música e no esporte estímulos para superar dificuldades em Oliveira

Fabrícia Viana ensina canto e violão para crianças na praça da cidade. No mesmo local, ela ainda pratica Slackline duas vezes por semana.
Por G1 Centro-Oeste de Minas e MGTV
Fabrícia ensina canto e violão para crianças (Foto: TV Integração/Reprodução)

Fabrícia Viana tem 39 anos e há cinco perdeu totalmente a visão. Mas a deficiência não foi empecilho para seguir em frente. A música e o esporte deram

estímulos. Ela é professora de música em Oliveira e pratica Slackline, onde caminha em uma fita/corda, exigindo muito equilíbrio e concentração.

A música e o violão entraram na vida de Fabrícia ainda menina. “Cantar e tocar representa tudo, é tudo o que me move. É o que eu faço diariamente, é o

que vem movendo minha vida desde muito tempo”.

Mas foi ainda criança também que ela descobriu o diabetes, que há cinco anos tirou dela a visão. “Cada dia que passava eu perdia um pouco mais da visão.

Fiz cirurgias e todas as tentativas para reverter este quadro, mas infelizmente não foi possível”, contou.

No início, Fabrícia conta que foi bem difícil, mas logo buscou estímulos. “É muito impactante uma pessoa que enxergou por muito tempo perder a visão. Chegou

um certo ponto que pensei: quantas vezes na vida eu fechei os olhos para cantar? E percebi que a cegueira não iria me atrapalhar e desde então continuo

seguindo firme”, ressaltou a professora.

Vitória Vargas, aluna de Fabrícia, contou que cada está ficando melhor no canto e no violão (Foto: Reprodução/TV Integração)
Vitória Vargas de 10 anos é uma das alunas de Fabrícia. Ela conta que sempre gostou de música e queria aprender a cantar e tocar bem. “Conheci a Fabrícia

e pedi a ela para me ajudar. Cada dia que passa estou ficando melhor”, ressaltou.

Sem ter a visão, Fabrícia tem um método para ensinar Vitória. “A gente trabalha muito com a audição. As notas têm que estar bem afinadas, tudo certinho

no violão dela com o meu violão. Além disso, tem a percepção do tato, enquanto ela vai tocando eu vou com a minha mão e confiro se está na casa certa.

Daí para frente vamos dando sequência na música”, explicou.

Slackline
Em busca de equilíbrio, Fabrícia passou a praticar o Slackline (Foto: Reprodução/TV Integração)
A música sempre trouxe equilíbrio psicológico para Fabrícia. Porém, depois de perder a visão, ela teve que ir em busca do equilíbrio físico, que foi encontrado,

há três meses, no Slackline.

“O Slackline exige muito equilíbrio, controle mental e respiratório. Com a prática do esporte, ela está conseguindo se equilibrar melhor. Está sendo ótimo

para ela. Está sendo um trabalho incrível. Ela manda bem e arrasa”, elogiou Samuel Melo, instrutor da Fabrícia.

Fabrícia afirmou que está pronta para superar limites. “Graças a Deus, hoje eu me sinto uma pessoa bem melhor”, finalizou.
fonte g1

Fiscalização vê falta de acessibilidade em agência do Banco do Brasil de João Pessoa

Uma fiscalização conjunta verificou problemas de acessibilidade na agência do Banco do Brasil (BB) da Praça 1817, no Centro de João Pessoa, nesta terça-feira

(13). De acordo com o promotor de Justiça e diretor do MP-Procon, Francisco Glauberto Bezerra, a agência não tinha contratos em braile à disposição e apresentou

irregularidades na calçada, problemas no piso tátil, banheiros não adaptados e caixas com altura inadequada para cadeirantes.

Os órgãos que realizaram a fiscalização ainda estão elaborando o relatório da visita para fazer as autuações necessárias e definir multas. A assessoria

do Banco do Brasil na Paraíba informou que não vai se manifestar no momento sobre as irregularidades encontradas.

Segundo Glauberto Bezerra, a fiscalização faz parte do programa “Acessibilidade e Inclusão nas Relações de Consumo Paraibano” e vai averiguar a situação

de outras agências nos próximos dias.

“Esse é um projeto contínuo. O que tem que ser entendido é que a pessoa com deficiência não pode ser vista pelo ponto de vista de reabilitação somente,

tem que ser vista do ponto de vista cultural, como pessoa de carne e osso, com sentimentos, que tem dignidade”, declarou o promotor.

Além de representantes e servidores do Ministério Público estadual, participaram da visita ao BB representantes do Corpo de Bombeiros; Conselhos Regionais

de Arquitetura e Urbanismo e de Engenharia e Agronomia da Paraíba (CAU e Crea, respectivamente); do Instituto de Arquitetos do Brasil, Departamento da

Paraíba (IAB-PB); das Comissões de Defesa do Consumidor e de Defesa das Pessoas com Deficiência da Ordem dos Advogados do Brasil, seccional Paraíba (OAB-PB);

da Defensoria Pública do Estado; da Secretaria de Desenvolvimento Humano do Estado; da Fundação Centro Integrado de Apoio às Pessoas com Deficiência (Funad);

de universidades; e de entidades como o Instituto dos Cegos e a Associação das Pessoas com Deficiência e Familiares (Asdef).

Fiscalização vê falta de acessibilidade em agência do Banco do Brasil de João Pessoa

Uma fiscalização conjunta verificou problemas de acessibilidade na agência do Banco do Brasil (BB) da Praça 1817, no Centro de João Pessoa, nesta terça-feira

(13). De acordo com o promotor de Justiça e diretor do MP-Procon, Francisco Glauberto Bezerra, a agência não tinha contratos em braile à disposição e apresentou

irregularidades na calçada, problemas no piso tátil, banheiros não adaptados e caixas com altura inadequada para cadeirantes.

Os órgãos que realizaram a fiscalização ainda estão elaborando o relatório da visita para fazer as autuações necessárias e definir multas. A assessoria

do Banco do Brasil na Paraíba informou que não vai se manifestar no momento sobre as irregularidades encontradas.

Segundo Glauberto Bezerra, a fiscalização faz parte do programa “Acessibilidade e Inclusão nas Relações de Consumo Paraibano” e vai averiguar a situação

de outras agências nos próximos dias.

“Esse é um projeto contínuo. O que tem que ser entendido é que a pessoa com deficiência não pode ser vista pelo ponto de vista de reabilitação somente,

tem que ser vista do ponto de vista cultural, como pessoa de carne e osso, com sentimentos, que tem dignidade”, declarou o promotor.

Além de representantes e servidores do Ministério Público estadual, participaram da visita ao BB representantes do Corpo de Bombeiros; Conselhos Regionais

de Arquitetura e Urbanismo e de Engenharia e Agronomia da Paraíba (CAU e Crea, respectivamente); do Instituto de Arquitetos do Brasil, Departamento da

Paraíba (IAB-PB); das Comissões de Defesa do Consumidor e de Defesa das Pessoas com Deficiência da Ordem dos Advogados do Brasil, seccional Paraíba (OAB-PB);

da Defensoria Pública do Estado; da Secretaria de Desenvolvimento Humano do Estado; da Fundação Centro Integrado de Apoio às Pessoas com Deficiência (Funad);

de universidades; e de entidades como o Instituto dos Cegos e a Associação das Pessoas com Deficiência e Familiares (Asdef).

fonte paraíba hoje

Deficientes visuais perdem independência por falta de piso tátil em calçadas

Tylane Renor
O que muitas vezes passa como um cenário comum para não portadores de necessidade especial se torna um grande desafio para os que possuem mobilidade reduzida.

Quando o assunto é deficiência visual o problema é ainda maior. Muitos percursos não possuem o piso tátil, essencial para o deslocamento de pessoas com

redução da visão, ou não há uma sequência. A fiscalização também é falha, segundo especialistas do assunto, o que limita, ainda mais, essas pessoas.

Segundo Código de Postura de Niterói, é obrigação do proprietário do imóvel a instalação das placas do piso tátil nas calçadas, que são de dois tipos:

com riscos (direcionais) e com bolinhas (alerta). A terapeuta ocupacional da Associação Fluminense de Amparo aos Cegos (Afac), em São Lourenço, Patrícia

Valesca Ferreira, explicou que esses pisos, quando são instalados, por muitas vezes são colocados errados. “As pessoas não percebem que esse espaço é para

eles andarem e praticarem sua independência. É difícil dar essa confiança e autonomia para o deficiente visual e isso é fundamental para autoestima, psicológico

e até mesmo inserção no mercado de trabalho”, explicou.

O advogado especialista em direito público, José Ricardo Ramalho, reforçou que a implantação do piso tátil está diretamente ligada às normas de acessibilidade

do espaço urbano. “Os pisos apresentam caracteres, braille ou figuras em alto-relevo, que tem como objetivo alertar ou direcionar o deficiente visual.

Devem ter cor contrastante com a do piso adjacente e podem ser sobrepostas ou integradas ao piso existente. A falta de manutenção e a inexistência desse

tipo de sinalização nos passeios dos grandes centros urbanos é um problema de acessibilidade enfrentado pelos deficientes visuais de todas as grandes cidades

do nosso país”, apontou.

Já o mestre em engenharia cartográfica pelo Instituto Militar de Engenharia (IME), Renan Ramos da Silva, ressaltou a importância desse elemento nas vias

públicas tanto para os que são totalmente cegos como para os que têm baixa visão. Por isso a questão da cor diferenciada no piso também é importante. “Normalmente

encontramos o piso tátil em áreas de transporte, como metrô e trem, mas em calçadas isso ainda é muito precário. Porém se nós que enxergamos encontramos

dificuldades às vezes, para o deficiente visual é ainda pior”, completou.

A Prefeitura de Niterói foi questionada sobre a quantidade de notificações/intimações aplicadas na cidade para que os proprietários e comerciantes coloquem

o piso tátil nas calçadas. A administração municipal disse em nota que nos primeiros quatro meses do ano foram 377 intimações para restauração de calçada

e cerca de 80% foram atendidas.

fonte A Tribuna RJ

quarta-feira, 21 de junho de 2017

Jogos Paralímpicos Universitários 2017 terão mais de 250 atletas disputando medalhas

Por CPB
Ter, 20 Jun 2017 10:50:00 -0300
Imagem

Mais de 250 atletas confirmaram a participação nos Jogos Paralímpicos Universitários 2017. A competição será disputada de 26 a 30 de julho, no Centro de

Treinamento Paralímpico, em São Paulo. O evento é organizado pelo Comitê Paralímpico Brasileiro e conta com o apoio da Confederação Brasileira do Desporto

Universitário (CBDU).

Esta é a segunda edição da competição. Neste ano, os 254 atletas representam universidades de 20 estados e do Distrito Federal. As disputas serão em seis

modalidades: atletismo, natação, badminton, judô, tênis de mesa e bocha.

Os atletas vencedores (primeiros, segundos e terceiros lugares) de cada prova serão premiados com medalhas, e as universidades a qual representam somarão

pontos pelo desempenho. Ao final da competição, as três melhores instituições de ensino no masculino e no feminino serão premiadas com um troféu. O formato

tem como objetivo incentivar faculdades a inscrever cada vez mais atletas nas futuras edições.

Para o vice-presidente do CPB, Ivaldo Brandão, a ideia dos Jogos Universitários é seguir o fortalecimento paradesportivo do Brasil desde a base. "Vimos

que existia esse hiato entre o esporte escolar e o alto rendimento. Alguns atletas paravam de treinar para entrar em uma universidade, outros largavam

a universidade porque precisavam treinar. Então esta é uma forma até de as instituições de ensino superior do país incentivarem a prática esportiva entre

os alunos com alguma deficiência física. Acredito que os Jogos Universitários serão muito importantes para que não tenha que haver essa escolha entre treinar

ou estudar", resumiu Ivaldo Brandão.

Assessoria de imprensa do Comitê Paralímpico Brasileiro (
imp@cpb.org.br)

Sala São Paulo tem concerto acessível da Osesp com audiodescrição

A Sala São Paulo recebe, neste domingo, 25, o quarto espetáculo acessível e inclusivo da Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo, a Osesp. A apresentação

matinal terá dois regentes, com destaque para o violoncelista Luiz Venturelli, de apenas 17 anos, premiado entre os cinco primeiros no último Concurso

Jovens Solistas da Osesp.

Haverá audiodescrição do local e do concerto, que começa pontualmente às 11 horas. Pessoas com deficiência têm entrada gratuita e direito a acompanhante,

mas é preciso reservar os ingressos até às 16 horas, do dia 23 de junho (sexta-feira).

Para fazer a reserva, basta enviar um e-mail para
comunicacao@md.org.br,
com nome completo, CPF e telefone. A retirada de ingressos acontece uma hora antes
do espetáculo, na mesa de convidados da bilheteria, localizada no térreo, próximo da catraca de entrada.

O programa tem início com “Abertura Concertante”, de Camargo Guarnieri, executada pela orquestra. A peça será regida por José Soares, jovem regente convidado

da Academia e indicado pela direção da Osesp. Na sequência, vem o “Concerto nº 1” de Dmitri Shostakovich, regido pelo maestro inglês Neil Thomson e com

solo de Luiz Venturelli.

No dia do concerto, a sugestão é chegar à Sala São Paulo com antecedência de no mínimo uma hora para retirar os ingressos em tempo e conferir uma introdução

sobre a sala e o espetáculo. Estes informativos contam com audiodescrição e Língua Brasileira de Sinais (Libras).

O quê: Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo – Matinais: Osesp e Thomson
Quando: 25 de junho (domingo), às 11h
Onde: Sala São Paulo
Endereço: Praça Júlio Prestes, 16, Campos Elíseos. São Paulo/SP
Telefone: (11) 3223-3966
Ingressos: Gratuito

Fonte:
Mais Diferenças Site externo

Rádio web feita por cegos no AP quer levar inclusão social para deficientes visuais

Casal Kérsia Ferreira e Carlos Manolo propõe entretenimento e debate por meio de rádio na internet. Projeto busca apoio para estruturar programa.
Por Jorge Abreu, G1 AP, Macapá
Com debates sobre acessibilidade e inclusão social, mais precisamente em relação a deficiência visual, a socióloga Kérsia Ferreira, de 32 anos, e o autônomo

Carlos Manolo, de 44, buscam apoio para colocar no ar um programa de rádio web. O casal que é portador da deficiência e vive no Amapá acredita que a iniciativa

pode levar ao público um pouco da realidade dos cegos.

De acordo com Kérsia, o programa “Inclusão no Meio do Mundo” já esteve em uma radio pública, mas por falta de apoio, não teve como se manter. Com uma proposta

de versão na internet, o casal quer alcançar públicos de diversos lugares do Brasil.

Sem estrutura, a dupla explica que faltam equipamentos como pedestais de mesa, materiais acústicos e outros, que no total somam cerca de R$ 3 mil.

“Estamos precisando ainda de algumas doações, mas o estúdio está 80% pronto. A rádio já está no ar, mas estamos por enquanto só tocando música. O programa

terá um site que será hospedado no Radiusnet e poderá ser encontrado tanto na Google Play quanto na Apple Store”, reforçou a socióloga.

Expectativa é colocar o programa no ar ainda em junho, diz Kérsia Ferreira (Foto: Kérsia Ferreira/Arquivo Pessoal)
O estúdio da rádio web foi montado na casa de Manolo, no bairro Pacoval, Zona Norte de
Macapá.
A expectativa é colocar o programa no ar ainda no mês de junho. A apresentação será por conta do próprio casal.

fonte g1

terça-feira, 20 de junho de 2017

Firmino Filho veta projeto de lei que obriga pratos e talheres adaptados aos deficientes

Prefeito seguiu orientações do Ministério Público do Estado do Piauí (MPPI) e de entidades ligadas as pessoas com deficiência.
Publicado por: Daniely Viana  |  Fonte: Com informações PMT
04

Em Teresina, deficientes visuais ou com mobilidade física não terão acesso a pratos ou talheres adaptados em estabelecimentos. O Projeto de Lei, enviado

pela Câmara Municipal de Teresina, foi vetado pelo prefeito Firmino Filho, que afirma seguir orientações do Ministério Público do Estado do Piauí (MPPI)

e de entidades ligadas as pessoas com deficiência.

De acordo com a Prefeitura de Teresina, o veto baseia-se na Lei Federal Nº 13.146/2015, conhecida como Lei Brasileira da Inclusão  (LBI), que estabelece

o princípio do desenho universal, ou seja, a concepção de produtos, ambientes, programas e serviços a serem usados por todas as pessoas, sem necessidade

de adaptação ou de projeto específico, o que possibilita a utilização por todos, inclusive pelas pessoas com deficiência, sem causar nenhuma diferenciação

ou constrangimento.

Para  um melhor entendentimento, tanto Prefeitura de Teresina quanto o Ministério Público e entidades sociais, alegam que o projeto causaria maiores constrangimentos

do que benefícios, uma vez que retira a autonomia e independência por parte das pessoas com deficiência.

Segundo a promotora de Justiça Janaína Rose Ribeiro Aguiar, coordenadora do Centro de Apoio Operacional da Pessoa com Deficiência e do Idoso, os deficientes

visuais, por sua vez, têm plena capacidade para utilizarem talheres e pratos sem adaptação. Sendo assim, não seria necessário um projeto de lei específico

para os mesmos.
 fonte  piauí  agora

Guarda aplica mais de 600 multas, em um mês, por uso de vagas de idosos e deficientes

Multas para estacionamento irregular nas vagas especiais são classificadas como gravíssimas Foto: Divulgação
fim do grupo
Geraldo Ribeiro
do Rio de Janeiro foram aplicadas 610 multas, nos 58 estabelecimentos visitados.
Desde novembro passado, a infração passou a ser classificada como gravíssima, pelo Código de Trânsito Brasileiro, com multa no valor de R$ 293,47 e perda

de sete pontos na carteira, além de estar sujeito a reboque.

A maioria das infrações foi em estabelecimentos da Zona Oeste da cidade — 24 shoppings e 14 supermercados —, num total de 346 multas. Na Zona Norte foram

aplicadas 198 multas, durante visita a dez estabelecimentos. Na Zona Sul foram constatadas 66 irregularidades em dez estabelecimentos.

O subdiretor de trânsito da Guarda Municipal, inspetor Itaharassi Bonfim Júnior, explicou que as ações iniciadas em 12 de maio são as primeiras realizadas

com base na Lei 13.146/2015, que estabelece no seu artigo 47 que todas as áreas de estacionamento, de uso público ou privado coletivo, devem ser fiscalizados

pelo agente da autoridade de trânsito. O inspetor disse ainda que as operações, que são realizadas em conjunto com o Procon Carioca, serão permanentes

a partir de agora.

— A lei é de 2015 e já foi amplamente divulgada. Não multamos no início para que as pessoas pudessem se acostumar a ela e também para que os estabelecimentos

se adequassem. Até então agíamos apenas quando éramos acionados pelo serviço 1746 — explicou o inspetor.

De acordo com a legislação, 2% das vagas destes estabelecimentos devem ser destinadas a deficientes físicos e outras 5% para os idosos. Mas, para ter direito

ao uso é necessário exibir o documento de credenciamento, que é feito pela Secretaria municipal de Transporte. As informações sobre o requerimento do cartão

do estacionamento especial, fornecido gratuitamente, estão disponíveis no site do órgão:
http://www.rio.rj.gov.br/web/smtr.
É possível ainda requerer o
documento em dez endereços distribuídos pela cidade (veja a relação abaixo), de segunda a sexta-feira, das 9 às 16h.

Durante a operação, 48 estabelecimentos foram notificados, pelo Procon Carioca, já que também cabe a eles fiscalizar o uso das vagas, segundo o órgão.

As empresas têm dez dias para apresentar a defesa prévia. Caso não seja acatada, é gerado um auto de infração, com a multa variando de 200 Ufirs (R$ 639,98)

a 3 milhões de Ufirs (R$ 9.599.700).

— O objetivo dessa operação foi conscientizar empresários sobre a importância de garantir os direitos de pessoas que têm sido tão desrespeitadas, que são

os idosos e os portadores de necessidades especiais — afirmou o presidente do Procon Carioca, Jorge Braz.

início do grupo Guarda multou motoristas e Procon Carioca notificou estabelecimentos Foto: Digulvação
Serviço

Endereços para requerer o cartão que dá direto ao uso das vagas especiais:

Centro

Rua do Riachuelo, 257, térreo

Santa Cruz

Rua Fernanda, nº 155, Sala 08

Engenho Novo

Rua 24 de Maio, 931, Fundos

Barra da Tijuca

Av. Ayrton Senna, 2001

Leblon

Av. Bartolomeu Mitre, 1297

Vila Isabel

Rua Visconde de Santa Isabel, 34

Illha do Governador

Rua Orcadas, 435, acesso pela Rua Escritora Eneida de Moraes, ao lado do Ilha Plaza.

Campo Grande

Rua Dom Pedrito, 1 - 2º andar

Bangu

Rua Fonseca, nº 240, 2º andar, Shopping Bangu

Irajá

Av. Monsenhor Félix, 512

fonte jornal extra

TRIBUTO AO REI DO POP COM AUDIODESCRIÇÃO NO TOM BRASIL

O e-flyer, com fundo roxo, é ilustrado no lado direito pela fotografia colorida, em plano médio, de Rodrigo Teaser como Michael Jackson, um homem negro,

alto, com os cabelos longos presos em um rabo desmanchado, nariz arrebitado e afilado, usando óculos escuros. Ele veste jaqueta preta com tachas nas mangas

e corpo, e faixas horizontais com botões na frente. No canto superior esquerdo, o título Rodrigo Teaser em Tributo ao Rei do Pop e a frase: 8 anos sem

Michael Jackson, escritos com letras brancas e douradas. Logo abaixo, sobre faixa branca, a data: 24 de junho, sábado, escrita com letras roxas. No rodapé,

as logomarcas dos patrocinadores, apoiadores e realizadores, sobre faixa branca.
Ministério da Cultura e Tom Brasil apresentam: TRIBUTO AO REI DO POP, com audiodescrição e LIBRAS. Interpretação de Rodrigo Teaser.

Data: 24 de junho (sábado).
Horário: 22:00 horas.
Local: Tom Brasil.
Endereço: Rua Bragança Paulista, 1281 (próximo a Av. das Nações Unidas).
Não recomendado para menores de 14 anos.
Ingressos a partir de R$ 25,00 (vinte cinco reais).
Vendas: Ingresso Rápido: 40031212
Cartão do HSBC tem 25% de desconto.
Convites cortesia para pessoas com deficiência e um acompanhante (número limitado).
Favor confirmar presença pelo email:
marina@vercompalavras.com.br

Patrocínio Cultural: Alelo, Motorola, Consigaz.
Apoio: Estanplaza Hoteis, Estrella Galicia.
Realização: Instituto Cultural Brasilis (ICB), Ministério da Cultura e Governo Federal.

Como chegar
De Carro: Do centro para Tom Brasil:Av. Santo Amaro e na altura do número 650 da Av. João Dias entrar à direita na rua Bragança Paulista; Pela Marginal

Pinheiros: fazer o retorno na ponte João Dias, voltar para a Marginal Pinheiros sentido centro e entrar a segunda à direita que já é a Rua Bragança Paulista.


De Trem ou Metrô: Desembarcar nas estações Granja Julieta ou Giovani Gronchi, pegar uma van sentido Santo Amaro (todas passam).

De Ônibus: No Terminal Bandeira pegar as linhas de ônibus abaixo e pedir para desembarcar próximo à Rua Bragança Paulista.
6450-10 Term. Bandeira/ Term. Capelinha.
6400-10 Term. Bandeira/ Term. João Dias.
6422-10 Term. Bandeira/ Vila Cruzeiro.

Sobre o espetáculo: Rodrigo Teaser relembra os maiores sucessos de Michael Jackson depois de oito anos que ele nos deixou, em um espetáculo surpreendente

jamais visto. O show “Tributo ao Rei do Pop” estreou em 2012 e já passou por várias cidades brasileiras, como Rio de Janeiro, São Paulo, Minas Gerais,

Brasília, Paraná, chegando a ser apresentada no Paraguai. No repertório, músicas que marcaram a história de Michael, entre elas “Beat It”, “Black or White”,

“I’ll Be There”, “Thriller” e “Billie Jean”. Cenário e figurino são reproduzidos com riqueza de detalhes – Rodrigo chega a fazer 13 trocas de roupas.

Descrição do e-flyer: o e-flyer, com fundo roxo, é ilustrado no lado direito pela fotografia colorida, em plano médio, de Rodrigo Teaser como Michael Jackson,

um homem negro, alto, com os cabelos longos presos em um rabo desmanchado, nariz arrebitado e afilado, usando óculos escuros. Ele veste jaqueta preta com

tachas nas mangas e corpo, e faixas horizontais com botões na frente. No canto superior esquerdo, o título Rodrigo Teaser em Tributo ao Rei do Pop e a

frase: 8 anos sem Michael Jackson, escritos com letras brancas e douradas. Logo abaixo, sobre faixa branca, a data: 24 de junho, sábado, escrita com letras

roxas. No rodapé, as logomarcas dos patrocinadores, apoiadores e realizadores, sobre faixa branca.

POR:
VERCOMPALAVRAS

segunda-feira, 19 de junho de 2017

Empresas tem vazias 51,6% das vagas para deficientes

Yuri Silva
Daniel Sampaio estuda direito e luta por emprego - Foto: Luciano da Mata | Ag. A TARDE
A luta da enfermeira Sandra Machado, 28, por uma vaga no mercado de trabalho foi curta, em comparação com outras histórias de pessoas com deficiência.

Logo após a conclusão do curso superior, no final de 2016, ela, que tem a audição comprometida nos dois ouvidos, foi contratada pelo hospital Santo Antônio,

das Obras Sociais Irmã Dulce (Osid).

Há seis meses atuando na Unidade de Tratamento Intensivo (UTI), Sandra é protagonista de uma história considerada de sucesso em meio ao preconceito que

resiste contra pessoas com deficiência, mesmo 26 anos após uma lei federal criar cotas para esse público no mercado de trabalho.

Entre uma conferida e outra nos prontuários de pacientes, ela comemora a colocação profissional. “Estou muito feliz. É gratificante lutar e conseguir a

realização profissional, pois isso mostra que somos capazes”, afirma a enfermeira, a exceção que confirma a regra.

A regra, nesse caso, é a história do estudante de direito Daniel Sampaio, 32, sem emprego desde 2014 por causa da limitação física que o faz dependente

de uma cadeira de rodas. Atingido por uma poliomielite aos quatro anos, que foi limitando os movimentos aos poucos, o futuro advogado conta que, por causa

da deficiência, é sempre rejeitado em entrevistas de emprego.

9.752

vagas destinadas por determinação da lei às pessoas com deficiência estão desocupadas no estado, segundo dados divulgados por órgão do Ministério do Trabalho


Números da exclusão

Segundo ele, o argumento usado, até mesmo por grandes corporações, é que elas não possuem estrutura física para receber um funcionário cadeirante. “Em

vez de nós sermos deficientes, são eles que são deficientes”, ironiza o estudante de direito, o exemplo da regra apontada pelas estatísticas.

Apesar da busca incessante de Daniel por emprego, dados do Ministério do Trabalho, revelados com exclusividade à reportagem de A TARDE pela Superintendência

Regional do Trabalho na Bahia (SRT-BA), mostram que 51,6% das vagas obrigatoriamente reservadas a pessoas com deficiência estão desocupadas no estado.


São, segundo o órgão, 489.533 pessoas empregadas e 19.271 vagas obrigatoriamente reservadas para pessoas com deficiência no mercado de trabalho baiano.

Entretanto, apenas 9.519 deficientes estão contratados. Com isso, os postos vazios somam 9.752 – daí a desocupação de 51,6%.

Os números são de março de 2017 e foram levantados pelo órgão com base na Relação Anual de Informações Sociais (Rais), preenchida pelas empresas, e no

Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), atualizado a cada demissão ou contratação.

De acordo com as estatísticas, as pessoas com deficiência representam somente 2% do universo de empregados no estado. “Falam muito em inclusão, mas eu

só vejo exclusão”, observa Daniel Sampaio.

Hoje, ele tenta se equilibrar em focos de esperança. Recebe o benefício de prestação continuada (BPC), salário mínimo pago pelo governo federal a idosos

e pessoas com deficiência, e fará uma seleção para vaga de motorista na prefeitura. “É uma tentativa de manter a esperança”, diz o próprio, na porta de

casa, ao se despedir da equipe de reportagem.

Sandra conseguiu entrar no mercado logo após formar (Foto: Luciano da Matta | Ag. A TARDE)

"

É gratificante lutar e conseguir a realização profissional

Sandra Machado, enfermeira

Fiscalização das cotas

Coordenadora do programa da SRT-BA de inclusão de pessoas com deficiência no mercado de trabalho, a auditora-fiscal do trabalho Lorena Muller explica que

as empresas são obrigadas, desde 1991, a reservarem vagas para esse público.

A obrigação, expressa no artigo 93 da Lei 8.213, que trata sobre a Previdência Social, traz uma série de regras, que, afirma Lorena, continuam sendo descumpridas.

Conforme a legislação, a reserva deve ser de 2% em empresas que têm entre 100 e 200 funcionários, 3% (entre 201 e 500), 4% (501 a 1.000) ou 5% para empresas

com mais de mil funcionários.

“As empresas dizem que essas pessoas não são capacitadas, que é difícil incluir elas na cultura da empresa, que não possuem estrutura para acessibilidade,

uma série de desculpas que não resolvem o problema”, conta a auditora-fiscal, que fiscaliza, na Bahia, a lei de cotas para esse público.

Lorena Muller afirma que, nos últimos cinco anos, 1.045 autos de infração foram lavrados no estado, o que resultou, diz ela, em 6.121 inserções no mercado.


A auditora-fiscal explica que a Lei 10.097, conhecida como lei da aprendizagem, serviu para ajudar na capacitação de pessoas com deficiência. “É a oportunidade

que as empresas têm de capacitarem essas pessoas e as efetivar, porque, depois da aprendizagem, a empresa vai ter uma pessoa capacitada”, defende.

"

Em vez de nós sermos deficientes, as empresas que são deficientes
Daniel Sampaio, aluno de direito

Tentativa de inclusão

Há um ano, as Obras Sociais Irmã Dulce (Osid) encontraram na aprendizagem a oportunidade de resolver a falta de pessoas com deficiência na área de saúde:

deram início à capacitação de deficientes físicos em um programa interno, o Dulce Aprendiz. Na turma atual, composta por 60 pessoas, três são deficientes

físicos.

Com 4.460 funcionários, a entidade filantrópica deveria ter 223 profissionais com alguma limitação física contratados para cumprir a reserva de vagas.

Porém, apenas 99 postos estão ocupados, segundo o coordenador de recursos humanos das Osid, Raimundo Araújo.

“A ideia do Dulce Aprendiz é tentar resolver esse problema deixando eles aptos para o mercado”, explica Araújo. “Mas tem muita concorrência, porque todo

mundo está querendo cumprir a lei”, diz. Ele explica que hoje as Osid estão selecionando 120 profissionais com deficiência para funções como fisioterapeuta,

enfermeiro, bioquímico, técnico de enfermagem e técnico de laboratório.

Araújo reclama da rigidez da lei. Algumas deficiências, segundo ele, não são aceitas para ocupar a cota prevista em lei. “Tem gente que possui deficiência

mas não se enquadra na legislação, porque é preciso ter um nível de deficiência que comprometa o sentido. Deficientes auditivos, por exemplo, têm que ser

bilateral”, detalha.

A presidente da Associação Baiana dos Deficientes Físicos (Abadef), Luiza Câmara, defende a importância da inclusão dessas pessoas no mercado. Ela critica

o setor empresarial pela desobediência à lei.

“Não existe cidadania pela metade, é preciso respeitar o direito das pessoas. Esse desrespeito destrói esperanças”, afirma a ativista.

A TARDE entrou em contato com a Federação das Indústrias da Bahia (Fieb) e com a Federação do Comércio do Estado (Fecomércio), as duas principais representações

empresariais locais, mas as entidades não se posicionaram sobre o tema até o fechamento desta edição.

fonte a tarde

Secretaria do Governo do Estado de São Paulo compõe Missão brasileira da 10ª sessão da Conferência dos Estados Partes da Convenção da ONU, em Nova York

A convite da Secretaria Especial dos Direitos da Pessoa com Deficiência da Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República, a Secretária de

Estado dos Direitos da Pessoa com Deficiência de São Paulo, Dra. Linamara Rizzo Battistella, integra a Delegação Brasileira junto à 10ª sessão da Conferência

dos Estados Partes da Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência, promovida de 13 a 15 de Junho de 2017 na sede da ONU em Nova York, EUA.
Também
participa Marco Antonio Pellegrini, Secretário Nacional dos Direitos da Pessoa com Deficiência.

A Secretária Dra. Linamara Battistella ao lado do Secretário Nacional Marco Pellegrini (dir.)

Além de participar das sessões plenárias, a Dra. Linamara atuou na coordenação de dois eventos paralelos, em 13 de Junho: o painel "Mobilizando o poder

de mulheres e garotas com deficiência para uma sociedade inclusiva e para o desenvolvimento: tomando ações coordenadas nos níveis nacional, regional e

global" e o workshop “Mulheres e Garotas com Deficiência no Desenvolvimento e na Sociedade: Traduzindo Compromissos em Ações”. O primeiro foi realizado

em colaboração com o Secretariado da Convenção e a Comissão Econômica para a América Latina e o segundo em colaboração com a CEPAL.

A missão brasileira que participa da 10ª sessão da Conferência dos Estados Partes da Convenção da ONU

Esse ano, a Conferência tem como tema geral “A Segunda Década da Convenção: Inclusão e plena participação das pessoas com deficiência e suas organizações

representativas na implementação da Convenção”. Entre os subtemas abordados estão “Impacto da discriminação múltipla em pessoas com deficiência”, “Inclusão

e plena participação das pessoas com deficiência nas ações humanitárias”; e “Nova Agenda Urbana – Habitat III”, a serem tratados na forma de painéis nos

quais o Brasil fez apresentações.

A CONVENÇÃO
Há dez anos, em 13 de dezembro de 2006, a Assembleia Geral da ONU estabeleceu a Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência, com o objetivo

de “proteger e garantir o total e igual acesso a todos os direitos humanos e liberdades fundamentais por todas as pessoas com deficiência, e promover o

respeito à sua dignidade”.

A missão brasileira que participa da 10ª sessão da Conferência dos Estados Partes da Convenção da ONU

Atualmente, 187 países são signatários da Convenção da ONU e 174 países a ratificaram. No Brasil o documento foi ratificado pelo Congresso Nacional em

2008, com status de emenda constitucional. A Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência foi o primeiro tratado de direitos humanos do século

XXI e inaugurou uma nova onda de iniciativas para a promoção dos direitos humanos e liberdades fundamentais desse segmento.

Durante a 10ª sessão da Conferência, outros membros da Delegação brasileira ministraram palestras, como a deputada federal Mara Gabrilli sobre a importância

da articulação intersetorial para a implementação de políticas públicas na Educação Inclusiva; “A Lei Brasileira de Inclusão e a Educação Inclusiva no

Brasil”, pela militante e professora Izabel Maior; “A Tecnologia Assistiva e a inclusão de pessoas com deficiência na educação”, por José Otávio Motta

Pompeu de Silva, da UFRJ; e “O desafio da formação de professores para o atendimento educacional especializado e demais profissionais da educação para

a inclusão escolar”, por Patrícia Neves Raposo, da Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão – SECADI/MEC.

Também participaram da Missão Brasileira à ONU: Ana Lúcia Segamarchi, Flávia Cintra, Rafael Batini e Luiz Carlos Lopes, da Secretaria de Estado dos Direitos

da Pessoa com Deficiência; Sylvia Curi, do Centro de Tecnologia e Inclusão, ação desenvolvida pela Secretaria; e a Dra. Deborah Kelly Affonso, do Ministério

Público de São Paulo.

Crianças deficientes e que recebem Bolsa Família terão prioridade nas matrículas das creches

har via Facebook
Compartilhar via Twitter
--------------------------------------------------------------------------------

Por G1 MT

16/06/2017 14h32 · Atualizado há 7 horas

Creche Lelita Lino da Silva, no bairro Cohab São Gonçalo, em Cuiabá. (Foto: Jorge Pinho/Secom-Cuiabá)
Crianças que tenham deficiência, que sejam beneficiárias do programa Bolsa Família, ou que pertençam a famílias com menor rendimento mensal terão prioridade

nas matrículas nas creches e centros municipais de educação infantil de Cuiabá. As medidas constam de decreto assinado pelo prefeito da capital, Emanuel

Pinheiro (PMDB), nesta semana. As mudanças começam a valer quando for aberto o prazo de matrículas para o segundo semestre.

Antes do decreto, o principal critério para a matrícula da criança era a proximidade da casa da famíla com a unidade escolar. “Verificamos uma série de

questionamentos da sociedade. O decreto tenta atender um pouco a questão social”, Luis Batista Jorge, diretor de Gestão Educacional da Secretaria Municipal

de Educação.

Conforme a nova regra, as matrículas deverão ser feitas pelos pais ou responsáveis por
meio de um site específico para isso.
Os que não tiverem acesso à internet deverão ir até um Centro de Referência e Assistência Social (CRAS), onde servidores deverão fazer o cadastro da criança.


Depois da inscrição, os pais ou responsáveis têm que ir até as escolas onde conseguiram a vaga, munidos da documentação para comprovar questões de localização,

de Bolsa Família ou de vulnerabilidade social, explicou o diretor.

Os critérios para a escolha das crianças que serão matriculadas são nesta ordem: as que têm algum tipo de deficiência física, as que recebam o benefício

do programa Bolsa Família, do governo federal, e as que sejam de famílias com menor rendimento mensal.

Os critérios de desempate que serão usados pela Secretaria Municipal de Educação são a proximidade da casa da criança em relação à escola, o maior número

de membros da família da criança e a maior idade da criança.

fonte g1

Oftalmologista brasileiro desenvolve lente que evita transplante de córnea

Técnica cirúrgica revolucionária está sendo feita em vários países. Segredo é pequena peça de material acrílico que é implantada nos olhos do paciente.


A paisagem é típica do interior de Minas Gerais. Céu azul, natureza, casa de sítio. Elizete mora com a família num sítio na zona rural de Lamin. Vive na

rotina da roça. Trabalha na horta, colhe frutas no pomar e, seu maior prazer, cuida da filha única, Ana Clara, de 9 anos. Mas já viveu tempos muito difíceis.

Com 22 anos começou a ter problemas para enxergar.

Os médicos descobriram que ela tinha uma doença chamada ceratocone, com alta miopia. A única tentativa de solucionar o problema seria entrar na fila para

fazer um transplante de córneas.

Com o tempo, o problema se agravou tanto que Elizete chegou a usar óculos com 20 graus em cada lente.

Em nove anos, Elizete nunca tinha visto o rosto da própria filha direito.

“Ela falava só assim comigo: ‘mãe, se um dia eu ficar cega, a senhora vai tomar conta de mim?’”, diz a mãe de Elizete, Maria Dornelas Cunha.

Sem perder nem a fé nem a esperança, Elizet fez uma verdadeira romaria por consultórios médicos de várias cidades. Chegou a fazer uma cirurgia a laser

na capital, Belo Horizonte, sem sucesso.

Quem deu a solução para o problema da Elizete foi Claudio Trindade, um jovem oftalmologista, com a técnica cirúrgica revolucionária que ele criou e que

está sendo feita, com sucesso, em vários países.

O segredo é uma pequena peça, feita de material acrílico, que é implantada nos olhos do paciente. Ela funciona como uma espécie de filtro e é muito mais

simples do que o transplante de córneas, que Elizete precisaria fazer.

“Já foram realizadas 52 cirurgias com acompanhamento de mais de três anos e, além daqui, essa cirurgia já foi realizada em alguns países, nos Estados Unidos,

na Alemanha, na Itália, na Argentina, nos Emirados Árabes e na Austrália, e realmente vem atraindo a atenção de oftalmologistas de todo o mundo”, diz Claudio

Trindade.

Globo Repórter: O que que acontece com a visão das pessoas depois de operadas?
Claudio Trindade: Essencialmente essas pessoas não têm nitidez na visão e não conseguem muitas vezes identificar uma pessoa conhecida, nem mesmo ler placas,

não conseguem se locomover com tanta facilidade, e depois consegue ver detalhes que há muito tempo não enxergava.

Foi exatamente o que aconteceu com Elizete. Foi como redescobrir o mundo. Elizete recuperou a visão, a autoestima, a alegria e passou a olhar a vida de

uma outra maneira.

fonte globo reporter

domingo, 18 de junho de 2017

Homem que recebe pensão por cegueira é preso ao atuar como bandeirinha em jogo

Italiano de 58 anos recebia pensão do governo desde fevereiro de 2008
Um homem, que se aposentou por invalidez por se declarar 100% cego, foi flagrado atuando como bandeirinha em um jogo de futebol. Ele recebia pensão do

governo italiano desde 2008 e causou revolta no país.
A polícia de Terni, na Umbria, confirmou que o italiano de 58 anos 'foi visto relatando corretamente os lances de um jogo' e ainda 'movimentando-se na

linha lateral e acompanhando os jogadores sem nenhuma ajuda'.
De acordo com o jornal italiano 'Gazetta dello Sport', o golpista foi filmado lendo documentos sem qualquer tipo de dificuldades em uma operação da polícia

ironicamente batizada com o nome de 'Primeira Vista'.
Diante do golpe, o homem está em prisão domiciliar e agora responde um processo por fraude contra o Estado. A esposa do falso cego, de 50 anos, é acusada

de ser cúmplice do esquema, que durava desde fevereiro de 2008 e que já rendeu um total de R$ 475 mil somente em pensões.

Fonte:
http://odia.ig.com.br/esporte/2017-05-29/homem-que-recebe-pensao-por-ceg...