sexta-feira, 25 de maio de 2018

Secretaria Municipal da Pessoa com Deficiência participa da Expo CIEE 2018

Estudantes com deficiência poderão se cadastrar e fazer processo seletivo para vagas de estágio na Prefeitura de São Paulo
Nos dias 25 a 27 de maio, o Pavilhão da Bienal do Parque do Ibirapuera recebe a 21ª Feira do Estudante – Expo CIEE, a feira estudantil da América Latina

focada na educação, capacitação, orientação e direcionamento profissional do público jovem.

A Secretaria Municipal da Pessoa com Deficiência (SMPED) participará do evento, alocada no estande da Prefeitura de São Paulo, cadastrando estudantes com

deficiência interessados em estágios nos serviços municipais da capital.

O evento, com entrada gratuita, é uma iniciativa do Centro de Integração Empresa-Escola – CIEE, que desde sua fundação, já encaminhou mais de 15 milhões

de estudantes para estágio e aprendizagem em milhares de empresas e órgãos públicos parceiros.

O objetivo da participação da SMPED é mapear e cadastrar estudantes com deficiência e mobilidade reduzida residentes em São Paulo, para que futuramente

possam iniciar sua vida profissional tanto nos serviços da Prefeitura quanto na iniciativa privada. Os estudantes com deficiência poderão se cadastrar

e fazer o processo seletivo no próprio estande.

“Nossa estratégia é encontrar futuros talentos com deficiência, abrir oportunidades e ajudá-los a conquistar um emprego formal, por isso o estágio é fundamental.”,

disse o secretário municipal da Pessoa com Deficiência, Cid Torquato.

O evento tem como finalidade promover em único espaço um encontro entre empresas e instituições de ensino, que visam a juventude brasileira como o futuro

do país, proporcionando a troca de informações que direcionam e ampliam a visão dos jovens acerca da formação e do crescimento profissional.

Serviço: 21ª Feira do Estudante – Expo CIEE
Data: 25, 26 e 27 de maio de 2018 - sexta a domingo das 9h às 19h,
Local: Pavilhão da Bienal do Parque do Ibirapuera
Endereço: Av. Pedro Álvares Cabral, s/n - Ibirapuera
fonte s m p e d

AYRTON SENNA O MUSICAL COM AUDIODESCRIÇÃO NO TEATRO SÉRGIO CARDOSO

O convite com formato retangular e fundo preto é ilustrado por duas fotografias coloridas. À direita, está Ayrton Senna (interpretado por Hugo Bonemer),

com olhar fixo, as pernas bem abertas e levemente flexionadas, os braços à frente, como se segurasse o volante de um carro. Ele tem pele clara, cabelos

castanhos curtos penteados de lado, olhos fundos. Veste macacão vermelho de corrida de mangas longas, cheio de marcas de patrocinadores. À esquerda, fotografia

de uma mulher loira, alta e magra, com cabelos curtos penteados de lado, com traços delicados e um leve sorriso. Usa vestido longo de tecido fino em tons

de verde e lilás, com gola alta e um bolero com franjas. O título do espetáculo AYRTON SENNA O MUSICAL, escrito com letras BRANCAS, está do lado esquerdo

do convite assim como, as informações sobre, data e nome do teatro. Do lado direito, as logomarcas dos patrocinadores, produtores e realizadores.
Ministério da Cultura, Bradesco, Teatro Sérgio Cardoso e APAA – Associação Paulista dos Amigos da Arte convidam para AYRTON SENNA, O MUSICAL, produção

de Aventura Teatros, com audiodescrição VER COM PALAVRAS.

Datas: 12 de maio (sábado) e 26 de maio (sábado).
Horário: 17:00 horas.
Duração: 140 minutos.
Local: Teatro Sérgio Cardoso, Sala Sérgio Cardoso.
Endereço: Rua Rui Barbosa, 153, Bela Vista, São Paulo, SP.
Classificação: livre
Convites cortesia para pessoas com deficiência visual e um acompanhante.
Favor confirmar presença pelo email:
marina@vercompalavras.com.br
ou pelo whatsapp: (11) 99848-1264
Roteiro de audiodescrição: Wagner Caruso e Fátima Angelo.
Narração: Wagner Caruso e Lívia Motta.
Consultoria: Roseli Garcia

Sobre o espetáculo: A história do brasileiro Ayrton Senna, tri-campeão mundial de Fórmula 1, o levou a ser reconhecido como um dos maiores pilotos de todos

os tempos, herói nacional e ídolo internacional. Mas é a essência da sua personalidade e caráter, com espírito guerreiro e de solidariedade, que estará

nos palcos do espetáculo “AYRTON SENNA, O MUSICAL”. A temporada paulistana, que estreia no dia 16 de março, mês do aniversário do homenageado, no Teatro

Sérgio Cardoso, tem direção de Renato Rocha, cenário de Gringo Cardia, figurino de Dudu Bertholini, direção musical de Felipe Habib e coreografia de Lavínia

Bizzotto.

Descrição do e-flyer: O convite com formato retangular e fundo preto é ilustrado por duas fotografias coloridas. À direita, está Ayrton Senna (interpretado

por Hugo Bonemer), com olhar fixo, as pernas bem abertas e levemente flexionadas, os braços à frente, como se segurasse o volante de um carro. Ele tem

pele clara, cabelos castanhos penteados de lado, olhos fundos. Veste macacão vermelho de corrida de mangas longas, cheio de marcas de patrocinadores.
À esquerda, fotografia de uma mulher loira, alta e magra, com cabelos curtos penteados de lado, com traços delicados e um leve sorriso. Usa vestido longo

de tecido fino em tons de verde e lilás, com gola alta e um bolero com franjas. O título do espetáculo AYRTON SENNA O MUSICAL, escrito com letras BRANCAS,

está do lado esquerdo do convite assim como, as informações sobre, data e nome do teatro. Do lado direito, as logomarcas dos patrocinadores, produtores

e realizadores.

POR:
VERCOMPALAVRAS

Hand Talk realizará o maior evento de Acessibilidade Digital do Brasil

O encontro abordará temas como: as ferramentas de tecnologia assistiva inovadoras do Brasil e do mundo

Só no Brasil, mais de 45 milhões de pessoas possuem algum tipo de deficiência (
CENSO 2010).
E apenas
2% dos sites brasileiros
estão acessíveis. Isso significa que 1/4 da população do país enfrenta barreiras todos os dias para navegar na internet por falta de acessibilidade digital.

Desde 2016, a Lei Brasileira de Inclusão (LBI) exige que tanto as organizações governamentais quanto as empresas privadas tenham sites acessíveis para

todos os públicos. Mas, na prática, a falta de informação ainda tem sido um grande obstáculo para que isso se torne uma realidade.

grupometarh.com.br

Com o propósito de disseminar boas práticas de acessibilidade na web, a
Hand Talk,
startup brasileira premiada pela ONU, vai promover o Link: Summit de Acessibilidade Digital 2018. O evento reunirá os maiores especialistas do país no

assunto e grandes marcas para debater o tema em palestras, painéis e talks. O encontro abordará temas como: as ferramentas de tecnologia assistiva inovadoras

do Brasil e do mundo, as melhores práticas de acessibilidade digital, cases de sucesso nas empresas, as leis, normas e requisições relacionadas à acessibilidade

em diferentes setores e histórias inspiradoras de pessoas com deficiência.

O Link vai acontecer em 8 de agosto, com transmissão online e ao vivo e com recursos de acessibilidade – como intérpretes de Libras (Língua Brasileira

de Sinais) e legendas em tempo real – possibilitando, assim, que as informações estejam ao alcance de todas as pessoas, independente do tipo de deficiência.

Qualquer um poderá acompanhar o conteúdo de qualquer lugar.

landing-ebook-cipa

As inscrições para a transmissão já estão abertas e podem ser feitas gratuitamente em
www.handtalk.me/link.

A estimativa é de mais de mil participantes conectados, dentre apaixonados por inovação, profissionais que buscam ampliar e encantar seu público e interessados

em geral.

Para mais informações acesse o
site oficial do evento.
A Hand Talk

Fundada em 2012, a
Hand Talk
realiza tradução digital e automática para a Língua Brasileira de Sinais (Libras), por meio de um plugin para tradução de sites e um aplicativo, que funciona

como um tradutor de bolso para Libras. Com a missão de quebrar barreiras entre surdos e ouvintes, a empresa é liderada pelo Hugo, um simpático intérprete

virtual, e foi premiada pela ONU como o Melhor Aplicativo Social do Mundo.

fonte O Maior Portal de Notícias para RH

Maio Amarelo: Motoristas vivenciam desafios da acessibilidade no transporte público

Ação vai promover inversão de papéis entre motoristas de ônibus da cidade de São Paulo, pessoas com deficiência e idosos
A São Paulo Transporte (SPTrans), em parceria com as empresas de ônibus e a Secretaria Municipal da Pessoa com Deficiência, vai realizar o evento “Inversão

de Papéis - Desafio da Acessibilidade”. A iniciativa faz parte das atividades do Maio Amarelo e acontece na próxima terça-feira, 29, a partir das 9h30,

no Memorial da Inclusão.

A atividade vai permitir que motoristas de ônibus façam uma viagem utilizando o transporte público, de forma a simular a rotina de pessoas com deficiência

e idosos. A inversão de papéis pretende trazer uma vivência maior aos condutores na questão do tratamento a esse público. Eles devem utilizar preferencialmente

os coletivos de empresas diferentes daquelas para as quais trabalham.

Os cerca de 30 motoristas participantes se dividirão em quatro grupos. Um fará o percurso em cadeira de rodas, outro deverá usar venda nos olhos, o terceiro

vai vestir a roupa que simula o corpo de um idoso e o último grupo fará o papel de acompanhante de uma pessoa com deficiência. Um funcionário do departamento

de Recursos Humanos das empresas de ônibus deve acompanhar e filmar o percurso dos motoristas, que estarão sem uniforme.

Ao chegar ao Memorial da Inclusão, os condutores farão depoimentos para registrar a experiência. Esse material será utilizado pelo programa de treinamento

das empresas operadoras, que oferece capacitação constante aos motoristas da cidade de São Paulo.

Além disso, os participantes integrarão uma roda de conversa com pessoas indicadas pela Secretaria Municipal da Pessoa com Deficiência. O encontro vai

proporcionar a troca de experiências necessária para incentivar a melhor convivência entre motoristas e passageiros especiais na rotina diária dentro dos

coletivos.

Maio Amarelo

A Secretaria de Mobilidade e Transportes, a Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) e a São Paulo Transporte (SPTrans) apoiam e participam do movimento

global conhecido como Maio Amarelo. O objetivo é chamar a atenção de todos para o alto índice de mortos e feridos no trânsito em todo o mundo, colocando

em pauta o tema contemporâneo da Segurança Viária.

Poder público e sociedade civil são incentivados a discutir essa questão de forma ampla, engajando-se em ações integradas de prevenção de acidentes de

trânsito. Durante todo o mês de maio são realizadas diversas atividades educacionais e de conscientização contemplando pedestres, ciclistas, motociclistas,

pessoas com deficiência e motoristas de carro, ônibus e caminhão.

Serviço

Evento: Inversão de Papéis - Desafio da Acessibilidade
Data: 29 de maio
Horário: a partir de 9h30
Local: Memorial da Inclusão: Os caminhos Da Pessoa Com Deficiência
Endereço: Av. Auro Soares de Moura Andrade, 564, Barra Funda, São Paulo (Portão 10 do Memorial da América Latina)
Texto: SPTrans
www.sptrans.com.br

quarta-feira, 23 de maio de 2018

Encontro de comunicação sob a ótica da publicidade e propaganda acontece na Secretaria

Na manhã desta terça-feira, 22 de maio, a Secretaria de Estado dos Direitos da Pessoa com Deficiência de São Paulo realizou a segunda Reunião Técnica sobre

Inclusão para Profissionais de Comunicação, como parte da 7ª Edição do Encontro Estadual de Gestores de Comunicação do Estado de São Paulo que foi dividida

em três temas e três datas: 25 de abril, 22 de maio e 26 de junho.

Fábio Adiron ao microfone fala sobre publicidade e propaganda para todos

A abordagem dos encontros foi estruturada para nichos específicos da área da Comunicação: profissionais de mídia (rádio, TV, impressa e digital); profissionais

de publicidade e propaganda; e gestores públicos. Em todas as reuniões o denominador comum entre os participantes em geral é a prestação de atendimento

ao público.

O objetivo das reuniões é esclarecer aos profissionais dos diferentes segmentos de atuação o papel do comunicador como disseminador de informação. A ideia

é que a abordagem, a forma de tratamento e a possibilidade de consumo pelas pessoas com e sem deficiência sejam consideradas adequadamente.

Nesta segunda reunião, em particular, os palestrantes apresentaram informações sobre o universo da publicidade e propaganda e do mercado de consumo. As

pessoas com deficiência também são consumidoras em potencial e devem ser incluídas nas peças de propaganda e também consideradas nos itens de consumo.


Lara Soto, coordenadora de Programas da Secretaria de Estado dos Direitos da Pessoa com Deficiência de São Paulo, trouxe a palestra “Comunicação Inclusiva

para o Alcance da Clientela”. Lara apresentou as diferentes barreiras que a pessoa com deficiência enfrenta no dia a dia: barreiras arquitetônicas, comunicacionais

e atitudinais.

Lara Souto fala sobre barreiras arquitetônicas, comunicacionais e atitudinais

As barreiras arquitetônicas são caracterizadas como obstáculos para o uso adequado do meio, geralmente originados pela morfologia ou formatação de edifícios

ou áreas urbanas.

As barreiras comunicacionais são caracterizadas como as dificuldades geradas pela falta de informações a respeito do local/objeto/serviços prestados, em

função dos sistemas de comunicação disponíveis (ou não) em seu entorno, quer sejam visuais e/ou auditivos.

As atitudinais muitas vezes ocorrem de maneira inconsciente e nem sempre são percebidas, sobretudo por aqueles que as impõem. A eliminação dessas barreiras

minimiza as demais e viabiliza outras dimensões de acessibilidade.

O palestrante Fábio Adiron, publicitário e professor universitário, palestrou sobre “Negócios Inclusivos: Peças Publicitárias sem Barreiras” e explicou

que teve proximidade com o tema da deficiência por ter um filho com síndrome de Down, o Samuel.

Ele iniciou pontuando sobre a diferença entre publicidade e propaganda. "Propaganda é mais ideológica, quem propaga quer vender uma ideia ou um conceito.

Publicidade é mais relacionado à venda de produto ou serviço", resumiu. Ele explicou as várias formas atuais de abordar a deficiência nas propagandas e

na publicidade em geral. Para ele, a forma de abordagem que mais incomoda é colocar a deficiência como produto. Ele explica: “usar a deficiência como produto

para melhorar o negócio me incomoda. Exemplo ‘comprem comigo e uma parte do ganho vou doar a alguma instituição de pessoa com deficiência’”.

Outros exemplos foram citados, inclusive exemplos positivos, como de uma conhecida marca de produtos infantis que fez uma propaganda de televisão com um

modelo bebê com síndrome de Down. “O comercial não fala da pessoa com deficiência, o objetivo é vender o produto, mas eles buscaram incluir essa pessoa

como se fosse mais uma e não o ‘diferente’ no meio dos outros”. Em resumo, o publicitário destacou que os produtos e serviços devem ser para todos e o

"todos" deve considerar as 45 milhões de pessoas com deficiência no Brasil, segundo o Censo do IBGE/2010.

Michele Simões: ênfase na diversidade de corpos e realidades.

Michele Simões, estilista e consultora de moda, trouxe a palestra “O Mercado de Consumo para Pessoas com e sem Deficiência”. Ela abordou um pouco de sua

rotina como consumidora. Michele é cadeirante e elaborou uma pesquisa com outras pessoas com deficiência para verificar de que forma elas se viam dentro

do mundo consumidor, com uma abordagem mais específica para a moda, levando em conta sua formação.

“A maioria das pessoas com deficiência visual que entrevistei escolhe roupas pelo tato. Então imagina essas pessoas se depararem com o vidro. No shopping

parece que é um lugar que não foi feito para você. Não tem audiodescrição”, relata.
Michele também destacou: “você não tem nenhuma informação; anda a loja inteira, enfrenta o vidro e finalmente escolhe o produto não encontra nada ali que

possa dar a informação para que você identifique, você não consegue comprar com autonomia".

Michele finalizou apresentando o minidocumentário “Meu Corpo é Real”, idealizado e criado por ela, que tem como intuito levar até a indústria informações

menos superficiais e generalizadas sobre os corpos idealizados e contemplados pela moda, além de dar ênfase à diversidade de corpos e realidades.

Todas as apresentações das três reuniões técnicas serão publicadas em
http://egecom.sedpcd.sp.gov.br
A próxima reunião acontece em 26 de junho de 2018 com foco nos gestores públicos e assessores que prestam atendimento ao público. As inscrições serão abertas

a partir de 28 de maio e as vagas são limitadas.

fonte secretaria dos direitos da pessoa com deficiencia
Na manhã desta terça-feira, 22 de maio, a Secretaria de Estado dos Direitos da Pessoa com Deficiência de São Paulo realizou a segunda Reunião Técnica sobre

Inclusão para Profissionais de Comunicação, como parte da 7ª Edição do Encontro Estadual de Gestores de Comunicação do Estado de São Paulo que foi dividida

em três temas e três datas: 25 de abril, 22 de maio e 26 de junho.

Fábio Adiron ao microfone fala sobre publicidade e propaganda para todos

A abordagem dos encontros foi estruturada para nichos específicos da área da Comunicação: profissionais de mídia (rádio, TV, impressa e digital); profissionais

de publicidade e propaganda; e gestores públicos. Em todas as reuniões o denominador comum entre os participantes em geral é a prestação de atendimento

ao público.

O objetivo das reuniões é esclarecer aos profissionais dos diferentes segmentos de atuação o papel do comunicador como disseminador de informação. A ideia

é que a abordagem, a forma de tratamento e a possibilidade de consumo pelas pessoas com e sem deficiência sejam consideradas adequadamente.

Nesta segunda reunião, em particular, os palestrantes apresentaram informações sobre o universo da publicidade e propaganda e do mercado de consumo. As

pessoas com deficiência também são consumidoras em potencial e devem ser incluídas nas peças de propaganda e também consideradas nos itens de consumo.


Lara Soto, coordenadora de Programas da Secretaria de Estado dos Direitos da Pessoa com Deficiência de São Paulo, trouxe a palestra “Comunicação Inclusiva

para o Alcance da Clientela”. Lara apresentou as diferentes barreiras que a pessoa com deficiência enfrenta no dia a dia: barreiras arquitetônicas, comunicacionais

e atitudinais.

Lara Souto fala sobre barreiras arquitetônicas, comunicacionais e atitudinais

As barreiras arquitetônicas são caracterizadas como obstáculos para o uso adequado do meio, geralmente originados pela morfologia ou formatação de edifícios

ou áreas urbanas.

As barreiras comunicacionais são caracterizadas como as dificuldades geradas pela falta de informações a respeito do local/objeto/serviços prestados, em

função dos sistemas de comunicação disponíveis (ou não) em seu entorno, quer sejam visuais e/ou auditivos.

As atitudinais muitas vezes ocorrem de maneira inconsciente e nem sempre são percebidas, sobretudo por aqueles que as impõem. A eliminação dessas barreiras

minimiza as demais e viabiliza outras dimensões de acessibilidade.

O palestrante Fábio Adiron, publicitário e professor universitário, palestrou sobre “Negócios Inclusivos: Peças Publicitárias sem Barreiras” e explicou

que teve proximidade com o tema da deficiência por ter um filho com síndrome de Down, o Samuel.

Ele iniciou pontuando sobre a diferença entre publicidade e propaganda. "Propaganda é mais ideológica, quem propaga quer vender uma ideia ou um conceito.

Publicidade é mais relacionado à venda de produto ou serviço", resumiu. Ele explicou as várias formas atuais de abordar a deficiência nas propagandas e

na publicidade em geral. Para ele, a forma de abordagem que mais incomoda é colocar a deficiência como produto. Ele explica: “usar a deficiência como produto

para melhorar o negócio me incomoda. Exemplo ‘comprem comigo e uma parte do ganho vou doar a alguma instituição de pessoa com deficiência’”.

Outros exemplos foram citados, inclusive exemplos positivos, como de uma conhecida marca de produtos infantis que fez uma propaganda de televisão com um

modelo bebê com síndrome de Down. “O comercial não fala da pessoa com deficiência, o objetivo é vender o produto, mas eles buscaram incluir essa pessoa

como se fosse mais uma e não o ‘diferente’ no meio dos outros”. Em resumo, o publicitário destacou que os produtos e serviços devem ser para todos e o

"todos" deve considerar as 45 milhões de pessoas com deficiência no Brasil, segundo o Censo do IBGE/2010.

Michele Simões: ênfase na diversidade de corpos e realidades.

Michele Simões, estilista e consultora de moda, trouxe a palestra “O Mercado de Consumo para Pessoas com e sem Deficiência”. Ela abordou um pouco de sua

rotina como consumidora. Michele é cadeirante e elaborou uma pesquisa com outras pessoas com deficiência para verificar de que forma elas se viam dentro

do mundo consumidor, com uma abordagem mais específica para a moda, levando em conta sua formação.

“A maioria das pessoas com deficiência visual que entrevistei escolhe roupas pelo tato. Então imagina essas pessoas se depararem com o vidro. No shopping

parece que é um lugar que não foi feito para você. Não tem audiodescrição”, relata.
Michele também destacou: “você não tem nenhuma informação; anda a loja inteira, enfrenta o vidro e finalmente escolhe o produto não encontra nada ali que

possa dar a informação para que você identifique, você não consegue comprar com autonomia".

Michele finalizou apresentando o minidocumentário “Meu Corpo é Real”, idealizado e criado por ela, que tem como intuito levar até a indústria informações

menos superficiais e generalizadas sobre os corpos idealizados e contemplados pela moda, além de dar ênfase à diversidade de corpos e realidades.

Todas as apresentações das três reuniões técnicas serão publicadas em
http://egecom.sedpcd.sp.gov.br
A próxima reunião acontece em 26 de junho de 2018 com foco nos gestores públicos e assessores que prestam atendimento ao público. As inscrições serão abertas

a partir de 28 de maio e as vagas são limitadas.

fonte secretaria dos direitos da pessoa com deficiencia

Oficinas de Mobgrafia nos CEUs

Uma parceria entre a ONG MOVIMENTO e o mObgraphia Mobile Photo Festival 2018 (da mObgraphia Cultura Visual), com a Secretaria Municipal da Pessoa com Deficiência

de São Paulo (SMPED) e a Secretária Municipal de Educação (SME) deu ao festival também uma importância social com a implantação do Projeto *mObgrafia inclusiva.


Ricardo Rojas, presidente da ONG Movimento e sócio fundador da mObgraphia (realizadora do mObgraphia Mobile Photo Festival) vai ministrar oficinas de mobgrafia

em CEUs (Centros Educacionais Unificados) e em Cohabs da cidade, e o resultado das oficinas será divulgado no formato de exposições abertas ao público,

nos próprios CEUs.

“O mObgrafia inclusiva fortalece o mObgraphia Mobile Photo Festival e o torna de fato democrático e inclusivo, indo até as comunidades em busca dos talentos

“anônimos” mostrando ao mundo que ter talento, não tem a ver com classe social ou poder econômico”, destaca Ricardo Rojas.

As oficinas abordarão os seguintes temas: o que é mobgrafia; quem é a *mobgraphia Cultura Visual – o que é este movimento, que agrega admiradores e promove

a fotografia com smartphones -; o que fazem; o momento em que vivemos - momento de transição na forma de fazer comunicação e o "poder" que a mobgrafia

pode dar -; quando e como isso começou; um novo olhar para a Arte da Fotografia; a força da imagem - vários exemplos impactantes de imagens geradas por

smartphones -; fundamentos básicos da fotografia - composição e luz - e uso de aplicativos de edição - como snapeseed.O conteúdo dinâmico e visual das

oficinas da “mobgrafia inclusiva” veio para complementar a programação do Projeto CEU, Memórias em Ação da Secretaria Municipal da Educação de São Paulo.


“A parceria com a mobgraphia veio em um bom momento, porque o Projeto CEU, Memórias em Ação, tem o propósito de potencializar os espaços dos CEUs, tornando-os

integradores e integrados, a partir da construção, resgate e organização das memórias destes equipamentos, do seu entorno e de seus atores, exatamente

o que a fotografia pode fazer. E tudo isso, envolvendo a comunidade no resgate dessas memórias, lhes oferecendo uma perspectiva de maior pertencimento,

uso e conservação desses espaços e potencialmente contribuindo com o patrimônio sociocultural da cidade”, diz Maria Alice Zimmermann, Diretora de Esportes,

da Secretaria Municipal da Educação, Departamento – COCEU/DIESP.

“A SMPED tem como objetivo promover a transformação social necessária à inclusão da pessoa com deficiência e a tecnologia é uma grande aliada. Por isso,

o *mObgrafia Inclusiva vem com o intuito de emergir a Cultura e a Arte, além de abrir novas possibilidades profissionais para estas pessoas que muitas

vezes são segregadas”, diz o Secretário Municipal da Pessoa com Deficiência, Cid Torquato.

*mobgrafia: a palavra com “f” é sinônimo de fotografia com smartphone.
*mobgraphia: a palavra com “ph” é a marca do movimento/produtora cultural precursora deste movimento no Brasil.
*mobgrafia inclusiva: se refere a fotografia feita com smartphone para todos – inclusiva.

Serviço:

CEU Parelheiros - 02/06 - 10h às 12h

COHAB Itaquera e COHAB Guaianases – 26/05 - 10h às 12h
Inscrição na Prefeitura Regional de Itaquera, às terças e quintas e Prefeitura Regional de Guaianases, às segundas, quartas e sextas.

Serão disponibilizadas 35 vagas por oficina e os interessados deverão se inscrever por meio do link:
https://goo.gl/Wr9UXq
Endereços do CEU:
http://portal.sme.prefeitura.sp.gov.br/Main/Page/PortalSMESP/CEUs--Enderecos
Demais ações do mObgraphia Mobile Photo Festival 2018

As imagens finalistas e o grande vencedor, de cada categoria do Prêmio ficarão expostas no MIS de 20 de abril a 17 de junho.

Exposições exclusivas
Data: de 1 de maio a 17 de junho - diariamente, das 8h às 19h
Local: Biblioteca Mario de Andrade - Rua da Consolação, 94 - Consolação

Fórum de Educação Visual
Datas: 02 e 03 de junho
Local: Biblioteca Mario de Andrade - Rua da Consolação, 94 – Consolação

Mais informações:

Assessoria de Imprensa do mObgraphia Mobile Photo Festival 2018
Tel: 11 3582-9724/ 6139
fonte s m p e d

Mercado de trabalho para as pessoas com deficiência é tema de fórum em Uberaba

Inscrições terminam nesta quarta (23). Evento é gratuito e ocorre na próxima sexta-feira (25).
Por G1 Triângulo Mineiro
Seminário tem como objetivo falar sobre a importância da inclusão dos deficientes no mercado de trabalho (Foto: Natália Normande/G1)
Terminam nesta quarta-feira (23) as inscrições para a segunda edição do “Fórum de Inclusão no Mercado de Trabalho das Pessoas com Deficiência e Reabilitadas

pelo INSS” em Uberaba.

O evento é gratuito e vai ocorrer na sexta-feira (25), a partir das 8h, no Centro Administrativo da Prefeitura de Uberaba, na Avenida Dom Luiz Maria de

Santana Borges, nº 141, Bairro Mercês. Haverá emissão de certificados para os participantes.

Os interessados podem se inscrever pelo
site da Prefeitura.
Mais informações pelo e-mail
forum.pcdsreabilitados@gmail.com.
A programação completa está disponível pela
internet.

O foco do fórum é a qualificação profissional das pessoas com deficiência e reabilitadas pelo INSS para o acesso a uma vaga de emprego no mercado de trabalho

formal.
fonte g1